A Vida de Brian (Life of Brian)

por Memória Sindical. 06 jun 2014 . 14:49

 

Inglaterra, 1979
Terry Jones
Com Graham Chapman, John Cleese, Terry Gilliam, Eric Idle

No ano 33, na Judeia, Brian vive uma vida paralela à de Jesus Cristo e sofre por ser confundido com ele. A confusão começa quando ele finge ser um pregador para fugir da guarda romana, e tem suas pregações levadas a sério, gerando uma horda de seguidores. Para escapar daquele problema Brian se alia a um grupo de oposição ao “imperialismo” romano.

Ao contar sua saga, o filme busca recriar os hábitos cotidianos da época: apedrejamentos (públicos, onde o povo se divertia), sermões, pregações, leprosários, milagres, castigos divinos, crucificações etc (qualquer semelhança com: linchamento moral na mídia, fetiche do consumo e a fé cega no dinheiro é mera coincidência. Ou não).

Por exemplo: a fila para crucificação é organizada por uma espécie de funcionário público que registra os condenados para o controle – e a burocracia – social. Em outra situação um “ex-leproso” se queixa por ter sido salvo por um “maldito milagre”. Isso porque, como leproso era mais fácil ganhar a vida pedindo esmolas.

No filme religião e política se misturam. A religião é vista de maneira política e a política tratada como religião – com seu ideário de verdades absolutas. Sua ironia mais bem acabada, neste sentido, é a organização de grupos, similares aos atuais partidos, que, embora lutem por uma mesma causa, disputam entre si.

avida-1

Tais grupos fazem ferrenha oposição ao imperialismo romano – a exemplo de partidos ultrarradicais que se opõe, nos dias de hoje, ao chamado imperialismo estadunidense. Mas eles perdem o foco (a ferrenha oposição ao imperialismo romano) quando se dedicam mais ao ódio aos outros grupos radicais, do que à causa primordial.

Desta forma, a única coisa que A Frente do Povo Judeu odeia mais do que os romanos é A Frente Judaica do Povo – embora às vezes eles mesmos confundam as siglas. E há também a Frente Popular, outro grupo que luta pela mesma causa, mas que já não merece tanto ódio, pois se encontra representada por um único velho remanescente.

A Vida de Brian aborda, com humor, a questão da alienação da massa disposta a seguir e repetir dogmas de forma cega. Considerado uma blasfêmia por setores da sociedade, o filme dividiu opiniões. Enquanto alguns viram nele um desrespeito à religião, outros o avaliaram como uma genial crítica à sociedade.


Carolina Maria Ruy é jornalista, coordenadora de projetos do Centro de Memória Sindical

 

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL