Um Dia de Cão

por Memória Sindical. 08 nov 2013 . 08:59

umdia

Um Dia de Cão (Dog Day Afternoon)
EUA, 1975
Sidney Lumet
Com Al Pacino e John Cazale

A pretexto de uma trama policial Lumet aborda com genialidade a desmedida e intangível capacidade da imprensa em brincar com a opinião pública, e coloca em debate seu poder de entrar na cabeça das pessoas e moldar o senso comum.


Por Carolina Maria Ruy

Quando Sonny (Pacino) decidiu sair do carro para assaltar o banco, ele não imaginava que protagonizaria um episódio sensacionalista, que atrairia tantos olhares. Mas com o banco tomado, os reféns nas mãos dos infratores e o cerco policial, a imprensa fez daquele assalto sua principal atração e deu o tom das negociações.

“Attica! Attica!” foi a resposta de Sonny à exploração midiática, referindo-se à Rebelião de Attica, em Nova Iorque (EUA), em 9 de setembro de 1971, quando detentos da penitenciária de Attica tomaram carcereiros como reféns para exigir, entre outras coisas, o fim da censura, melhor atendimento médico e carcereiros negros e latinos.

umdia-2

Com cinco dias de tensão a Rebelião de Attica acabou com um banho de sangue promovido pela polícia. Mas o curioso é que cada passo, cada diálogo e o trágico desfecho chegavam às residências dos cidadãos através da TV, que transmitia ao vivo como um reality show.

Tal sensacionalismo não nasceu em 1971. Ele vem com a própria produção em série da notícia e sua cooptação pela indústria cultural, massificada no pós 2ª Guerra, contexto em que a imprensa foi rendeu-se ao mercado.

Sobre isso vale resgatar a lógica simples e direta do músico baiano Tom Zé, que já em 1969 dizia que “Tem jornal popular que nunca se espreme porque pode derramar. É um banco de sangue encadernado, já vem pronto e tabelado, é somente folhear e usar” (Parque Industrial/Tropicália).

No filme Sonny aproveita seus poucos minutos de fama e se envaidece com os holofotes. Mas ele não percebe que naquela situação ele é mais vitima que algoz.

O incipiente crime, a tensão policial, os reféns, a veracidade dos fatos, nada disso determina o resultado da confusão armada por ele e seu comparsa. A cobertura da imprensa, que de Attica até aquela situação, aprimorou seus mecanismos de transmitir o trágico de forma romanceada e teatral, é o que orienta o desfecho.

Ora a mídia defende os bandidos, humaniza-os, instiga a compaixão. Outrora esta mesma mídia reverte a história, revelando ao público a face perversa destes bandidos, tornando “aceitável” uma ação violenta contra eles.

A pretexto de uma trama policial Lumet coloca em debate o poder da imprensa, sobretudo da televisão, de invadir a consciência e moldar o senso comum em favor da ideologia do status quo.


Carolina Maria Ruy é jornalista, coordenadora de projetos do Centro de Memória Sindical

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

A verdade sobre Manoel Fiel Filho

Artigos e Entrevistas

Manoel Fiel Filho No dia 24 de junho de 2015, o Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo denunciou à Justiça Federal sete ex-agentes da...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL