Debate “50 anos do golpe militar e a repressão aos trabalhadores”

por Memória Sindical. 17 abr 2014 . 11:25

Debater a ditadura militar é buscar compreender os entraves políticos, econômicos e sociais que se colocam no caminho do avanço da nação brasileira.

O golpe militar foi contra os movimentos sociais, contra o projeto nacional de desenvolvimento de João Goulart, contra os Sindicatos, contra o trabalhismo, contra o povo!

Isso porque, entre 1961 e 1964, o governo de João Goulart apresentava um intenso nível de atividade dos movimentos sociais. O sindicalismo, expresso no Comando Geral dos Trabalhadores (CGT), em particular, era tolerado e até mesmo incentivado pelo presidente, pois servia ao seu projeto nacional-reformista.

Tal relação, entretanto, era vista como uma ameaça pela elite industrial e empresarial, uma vez que, no coração do capitalismo, os sindicatos poderiam atrapalhar a manutenção de seu sistema de privilégios.

Desta forma, na madrugada de 31 de março para 1º de abril de 1964, o golpe militar suprimiu violentamente direitos democráticos e constitucionais, invadindo Sindicatos e instituindo uma prática terrorista de perseguição, ameaças, prisões, torturas, ou até mesmo assassinatos, contra milhares de trabalhadores.

A repressão da ditadura militar servia para barrar o projeto de desenvolvimento implementado por Jango, e para calar qualquer movimento contrário ao regime de austeridade fiscal e arrocho salarial que se iniciava.

Em 1968, no auge da chamada linha dura do regime, as greves de metalúrgicos de Contagem (MG) e de Osasco (SP), que reacenderam o movimento sindical, foram reprimidas com violência.

Mas tanto a forma de organização através das comissões de fábrica, quanto o discurso político anti-ditadura, serviram de exemplo para o movimento que ressurgiria com força depois de dez anos, já em um período de distensão política. As greves por reposição salarial deflagradas após a denúncia do Dieese sobre a manipulação, pelo governo federal, dos índices oficiais da inflação de 1973, desencadearam um processo grevista que se repetiu em 1978, 1979 e 1980.

A nova realidade que se abria no horizonte mostrava-se cada vez mais forte. Assim, em 1981 realizou-se a 1ª Conferência Nacional das Classes Trabalhadoras (Conclat) e em 1983 ocorreu a primeira greve geral sob a ditadura militar, contra pacotes econômicos, impostos pelo FMI, que apertariam ainda mais a economia nacional.

Nos anos seguinte os trabalhadores organizados tiveram decisiva participação nas campanhas pelas Diretas Já!, na elaboração da Constituição Cidadã e na construção da democracia.

O acalorado debate sobre a representação sindical, fomentado pela Conclat, resultou na criação de centrais sindicais CUT, em 1983, CGT, em 1986 e Força Sindical, em 1991.

Contudo, embora a ditadura tenha chegado ao fim, ela deixou muitas sequelas. Além de ter aprofundado a dívida externa e, consequentemente, elevado os índices de inflação, os militares promoveram um profundo desfalque nos movimentos sociais. Militantes e lideranças estratégicas para estes movimentos foram afastadas, isoladas ou mesmo assassinadas nos porões do DOI-CODI.

Passados 50 anos do golpe, a democracia brasileira ainda é um processo em construção. Vestígios da ditadura militar ainda pesam sobre a sociedade. Debatê-la não é debater o passado. Debatê-la é buscar compreender os entraves políticos, econômicos e sociais que se colocam como pedras no caminho do pleno avanço da nação.

Neste sentido o Centro de Memória Sindical, a Força Sindical, e a União Geral dos Trabalhadores (UGT), promoverão um debate intitulado: “50 anos do golpe militar e a repressão aos trabalhadores”, com os palestrantes, Nair Goulart, do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Walter Barelli, ex-diretor técnico do Dieese, Ivan Seixas, coordenador da Comissão Estadual da Verdade Rubens Paiva, e Waldir Vicente, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro, cassado pela ditadura.

Local: Assembleia Legislativa de São Paulo – auditório Franco Montoro

Av. Pedro Álvares Cabral, 201. São Paulo – SP – CEP 04097-900 – PABX: 3886-6000

Data: 25 de abril de 2014.

Hora: 9 às 13 horas.

debate

Comentários



ÚLTIMAS DE

Comissão Nacional da Verdade

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL