O suicídio de Getúlio Vargas

por Memória Sindical. 22 ago 2014 . 17:54

No dia 24 de agosto de 1964, há 60 anos, o presidente Getúlio Vargas se suicidou.  Em seus últimos dias de vida ele foi atormentado por uma pressão exacerbada por parte do exército, do congresso nacional e da imprensa. Seu suicídio causou grande comoção popular repercutindo nas forças políticas da época. Segundo historiadores, com esta atitude drástica ele conseguiu adiar por dez anos um golpe militar que poderia eclodir em 1954.

Ouça a narração da carta testamento no vídeo.

Por Carolina Maria Ruy

Getúlio Vargas foi um presidente ambíguo. Mas podemos compreendê-lo se levarmos em conta a situação internacional na qual se desenvolveu seu governo. Ele assumiu a presidência do Brasil através do golpe de Estado conhecido como “Revolução de 30”, em meio às tensões sociais e políticas do período entreguerras (1918 a 1939). Neste contexto marcado pela Grande Depressão, pela emergência do socialismo soviético e pela ascensão do nazismo e de regimes totalitários, Getúlio instituiu um regime fascista e anticomunista, conhecido como Estado Novo (1937 a 1945). Foi neste período que ele lançou as bases fundamentais para a regulamentação das relações de trabalho, suicidio-1das quais a maior parte vigora até hoje.

O Estado Novo terminou no mesmo ano em que acabou a segunda guerra mundial, com a derrota da Alemanha nazista, 1945. Os novos tempos pediam governos mais democráticos e economicamente mais liberais. E Getúlio, eleito presidente da República em 1950, acompanhou as mudanças que se colocavam.

No início de seu novo governo o alto custo de vida que assolava os trabalhadores gerou uma onda de manifestações sindicais. A Greve dos 300 mil, de março de 1953, a maior destas manifestações, teve como desdobramento o reajuste do salário mínimo em 100%. O reajuste foi anunciado pelo ministro João Goulart e assinado pelo presidente Vargas no dia 1º de maio de 1954, sob um clima de tensão entre governo, empresários e trabalhadores.

A tensão no governo se agravaria ainda mais após um episódio conhecido como o atentado da Rua Toneleiros, em 5 de agosto de 1954. No episódio o major Rubens Florentino Vaz, da Força Aérea Brasileira (FAB), foi morto a tiros em frente à residência do deputado federal, forte opositor de Getúlio, Carlos Lacerda. Seguiu-se ao caso uma forte suspeita de que o ataque destinava-se, na verdade, à Lacerda. E com a descoberta de que os autores do crime, Alcino João Nascimento e Climério Euribes de Almeida, eram membros da guarda oficial, as suspeitas recaíram sobre o próprio presidente.

Com isso ele foi pressionado pela imprensa e por militares a renunciar. Em sua última reunião, em 23 de agosto, os ministros não apresentavam alternativa à crise política, articulando por trás dos acontecimentos, a instauração de uma ditadura militar.  Naquele dia Getúlio fez o seguinte registro em sua agenda:

“Já que o ministério não chegou a uma conclusão, eu vou decidir: determino que os ministros militares mantenham a ordem pública. Se a ordem for mantida, entrarei com pedido de licença. Em caso contrário, os revoltosos encontrarão aqui o meu cadáver”.

E na madrugada de 23 para 24 de agosto de 1954, se suicidou com um tiro no peito. No dia 24 sua carta testamento, endereçada ao povo brasileiro, foi lida pelas rádios. As últimas palavras de Getúlio Vargas, inscritas na carta, tornaram-se parte emblemática da história do país:

“E aos que pensam que me derrotaram respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém. Meu sacrifício ficará para sempre em sua alma e meu sangue será o preço do seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo. Tenho lutado de peito aberto. O ódio, as infâmias, a calúnia não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida. Agora vos ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História”.

O povo, então, tomou as ruas do Brasil manifestando pesar pela morte do presidente e indignação e revolta contra seus adversários. O cenário transformara-se completamente. O clima para a deflagração do golpe, que antes fervilhava na alta cúpula, esfriara por completo. Muitos historiadores afirmam que o suicídio de Getúlio Vargas adiou um golpe militar que pretendia depô-lo. E ainda, que na esteira de sua popularidade foi possível eleger os presidentes Juscelino Kubitschek (1965) e João Goulart (1961).
_______________________________________
Carolina Maria Ruy é jornalista e coordenadora de projetos do Centro de Memória Sindical

Comentários



ÚLTIMAS DE

Artigos e Entrevistas

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Sindicato dos Professores de São Paulo promove debate e exposição sobre a Revolução Russa

Cultura

Acontecimento de importância decisiva no mundo contemporâneo, a Revolução Russa construiu e destruiu utopias e mudou as referências políticas e ideológicas da nossa era. Sua...

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL