Raphael Martinelli

por Memória Sindical. 29 jun 2012 . 10:34

Raphael Martinelli foi líder ferroviário antes do golpe de 1964, amigo do presidente João Goulart, militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro), ajudou a organizar o PUA (Pacto de Unidade e Ação) e o CGT (Comando Geral dos Trabalhadores) até o assalto ao poder feito pelos militares golpistas, a serviço da burguesia mais reacionária, seu nome constou da primeira lista de cassações dos golpistas, escapou de ser preso pela ditadura e ajudou a organizar a ALN (Ação Libertadora Nacional) junto com Marighella e Joaquim Câmara Ferreira. Como militante da ALN participou da luta contra a ditadura até ser capturado pelos inimigos da democracia. Foi preso político por longos anos, saiu da prisão, estudou e se formou advogado do Sindicato dos Ferroviários, sua categoria profissional.

Hoje, aos 85 anos de idade, várias décadas de militância política e muita experi ência de vida, ele é o Presidente do Fórum dos ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo e figura importante de toda a luta pela abertura dos arquivos da repressão militar e pela punição dos torturadores e seus mandantes e apoiadores.

 

Plena Editorial: O que é o Fórum dos ex-Presos e Perseguidos Políticos do estado de São Paulo?

Martinelli: É uma organização criada pelos ex-presos e perseguidos políticos para lutar pelos seus direitos de reparação política e monetária por causa de todoas as torturas e perseguições sofridas nas mãos da ditadura implantada em 1964. Além disso, lutamos pelo esclarecimentos de todas as mortes e desaparecimentos dos militantes capturados durante a luta contra a ditadura. Nossa preocupação maior é esclarecer e informar a juventude sobre o que foi nosso país nas mãos daqueles que se colocaram a serviço de potências estrangeiras.

Plena Editorial: O que você acha dos livros que retratam a vida e a militância de combatentes contra a ditadura?

Martinelli: Como dirigente do Fórum, só posso elogiar essas iniciativas, pois elas vão ao encontro da necessidade que a juventude tem de conhecer o que aconteceu no país e os reflexos da ação da ditadura sobre a sociedade brasileira atual. A direita quer esconder esse passado, pois foram cúmplices de muitos crimes cometidos pela ditadura. A direita brasileira se beneficiou com a ditadura, a retirada de direitos dos trabalhadores e de violação dos direitos humanos dos cidadãos pobres de nosso país.

Plena Editorial: Você conheceu o Virgílio Gomes da Silva?

Martinelli: Sim. Ele era o Comandante Jonas, nome com o qual o conheci na clandestinidade. Tanto eu como ele éramos milçitantes da ALN. Era um homem valoroso, um trabalhador dedicado e um pai de família exemplar. Deu sua vida pela causa revolucionária e não cedeu nada aos inimigos que o assassinaram nas câmaras de torturas. O lançamento desse livro (Virgílio Gomes da Silva – De retirante a guerrilheiro) sobre a vida de Virgílio é um bom meio da juventude conhecer a luta pela democracia e a vida de um operário consciente, politizado e dedicado a luta pela libertação do povo. Só espero que outros livros como esse sejam publicados.

Plena Editorial: Ou seja: precisamos conhecer nosso passado. É isso?

Martinelli: Claro. Temos que abrir os arquivos militares, que contam a ação dos organismos militares de repressão e que tem muitos segredos ainda não revelados. Não podemos permitir que isso tudo fique nas mãos de inimigos da democracia.

Plena Editorial: O que você acha desse debate sobre a punição aos torturadores dos tempos da ditadura?

Martinelli: Não pode ficar impune quem cometeu crimes de lesa-humanidade. Essa gente cometeu crimes inimagináveis e precisam pagar por seus crimes. Eles prenderam ilegalmente, torturaram, saquearam, estupraram e mataram centenas de militantes políticos. Vários agentes deles contam sem medo de punição que os militantes foram presos, torturados e esquartejados para não facilitar a localização de seus corpos. Isso não tem perdão. Eles cometeram atrocidades e até a Convenção de Genebra, que estabelece quais são os crimes de guerra, condena os atos desses torturadores assassinos.

Fonte: http://www.plenaeditorial.com.br/

Comentários



ÚLTIMAS DE

Histórias de Vida

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL