Sindicalistas debatem o golpe militar e a repressão aos trabalhadores

por Memória Sindical. 25 abr 2014 . 15:59

sindicalistas-1O Centro de Memória Sindical (CMS), junto com a Força Sindical e a UGT realizaram hoje (dia 25),  na Assembleia Legislativa São Paulo,  o debate “50 anos do golpe militar e a repressão aos trabalhadores”, com depoimentos de sindicalistas que sofreram perseguições naquela época e do economista Walter Barelli, ex-diretor técnico do Dieese.

“O debate é oportuno porque serve para contar a história da repressão contra os trabalhadores (pelos seus depoimentos) e do heroísmo deles, além de desfazer lendas criadas sobre o golpe de 1964”, disse Ivan Seixas, integrante da Comissão Estadual da Verdade. Segundo ele, “os operários foram muitos discriminados”. Um levantamento sobre o perfil dos que foram presos e sofreram perseguições mostra que 60% eram trabalhadores. A ditadura implantou um projeto sócio-econômico e político baseado na repressão e no arrocho salarial, declarou Seixas.

Barelli destacou que o golpe de 1964 foi contra a classe trabalhadora organizada e contra a política salarial (que até hoje não recuperou o nível salarial de 64)e também acabou com a estabilidade no emprego. Em 1973, o Dieese denunciou a manipulação pelo governo federal dos índices oficiais da inflação. Os sindicatos passaram a lutar por reposição salarial. Naquela época, Barelli era o diretor-técnico da instituição.

De acordo com Barelli, além dos que foram presos, torturados e cassados é preciso contar também a história dos que assumiram os sindicatos naquele período e sofreram com a infiltração da polícia nas assembleias, foram presos e perseguidos, mas resistiram e possibilitaram a retomada do movimento sindical com mais força.
Deram seus depoimentos , Nair Goulart, presidente da Força Bahia; Waldir Vicente, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do Rio de Janeiro; Vital Nolasco, ex-diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo; Adriano Diogo, deputados estadual do PT e Domingos Fernandes, da UGT.

A sindicalista Nair Goulart, mineira de nascimento começou a sua militância política no movimento da igreja em Minas Gerais. Pertenceu a Organização Revolucionária Marxista Política Operária (Polop), trabalhou em várias categorias, como doméstica, tecelã, comerciária e depois foi metalúrgica no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde foi presa.

Apesar das perseguições Nair não esmoreceu e continuou a luta no movimento sindical, onde comandou o I Congresso Nacional da Mulher Trabalhadora Metalúrgica. Hoje, além da Força Bahia, Nair é vice-presidente da CSI (Confederação Sindical Internacional) e vice-presidente da Força Sindical.

Para Nair, “enquanto os trabalhadores ficam divididos o capitalismo avança e a direita tem conquistado espaço. Temos que dar conta desta enorme tarefa que está colocada para nós”, ressalta.

Desaparecimento
Na abertura dos debates, os sindicalistas elogiaram a atitude do secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, Juruna, pelo empenho para manter o Centro de Memória Sindical e por trabalhar a unidade das centrais sindicais.

Antonio de Sousa Ramalho, presidente do Sintracon-SP (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Civil de SP) foi sindicalistas-2um dos que destacou a importância da atuação de Juruna e lembrou que muitos sindicalistas desapareceram, inclusive na entidade que preside. Já Eunice Cabral, que representou o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, disse que “não podemos permitir a volta da repressão, da ditadura militar e da ditadura da mídia”.

Mônica Veloso, vice-presidente da CNTM, lembrou que as pessoas não se submeteram e não se curvaram. Já Milton Cavalo, presidente do Centro de Memória, explicou o papel da entidade que, além de preservar o acervo do movimento sindical também promove eventos para levar o conhecimento aos trabalhadores.

Já Washington dos Santos, Maradona, da UGT, destacou a importância dos debates realizados pelo Centro de Memória. “Hoje é uma data de reflexão. As novas gerações têm o privilégio de fazer um monte de coisas, de obter muitas informações e não devem perder a oportunidade de conversar diretamente com as pessoas que sofreram com cassações, prisões e torturas, além de lutar contra a ditadura.

sindicalistas-3sindicalistas-4sindicalistas-5sindicalistas-6
sindicalistas-7 sindicalistas-8

Comentários



ÚLTIMAS DE

Comissão Nacional da Verdade

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL