Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo entrevista coordenadora do Centro de Memória Sindical

por Memória Sindical. 07 nov 2014 . 12:27

sindicato-1A conversa, entre os jornalistas Val Gomes e Carolina Ruy, girou em torno da constituição e importância do Centro, e da história do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo.

O Metalúrgico – O Centro de Memória Sindical (CMS) fica na Rua do Carmo, no antigo prédio do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, atual Sindicato Nacional dos Aposentados. O que é feito neste espaço?

Carolina Maria Ruy – O CMS é um arquivo histórico que preserva a memória oral, por meio de entrevistas e depoimentos de histórias de vida (temos arquivado vários depoimentos de sindicalistas importantes, muitos que já morreram, como Gregório Bezerra, Affonso Delellis e Joaquim dos Santos Andrade), prestação de serviço de resgate histórico, produção de livros e debates.

O Metalúrgico – Quando foi criado?

Carolina – Em 1980, no rescaldo das greves que começaram no ABC paulista em 1978, em torno da reposição salarial e do combate ao arrocho salarial, e também com o viés político de combate à ditadura militar. Um grupo de jornalistas teve a ideia de gravar depoimentos daqueles sindicalistas para produzir um livrinho chamado “A greve na voz dos trabalhadores”. Entre 1978 e 1980 eles coletaram depoimentos de quem se dispusesse a contar sua história. Lembrando que era ditadura militar e muitos tinham medo de expor ideias comprometedoras. Depois do livro pronto, eles resolveram arquivar este material, as fitas, as transcrições e continuar fazendo depoimentos.

Se formou o chamado “Movimento pela fundação do Centro de Memória Sindical”, do qual fazia a parte a Carmen Evangelho, que colabora até hoje com o Centro. A ideia era que quando tivessem 10 sindicatos apoiando, e pelo menos 200 horas de depoimentos gravados, eles iam formalizar a fundação do Centro de Memória. O que aconteceu em 14 de junho de 1980, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, na Rua do Carmo, com apoio do presidente Joaquinzão.

O Hugo Perez, que era do Sindicato dos Eletricitários e presidente do Dieese, foi o primeiro presidente. Depois tiveram as gestões dosindicato-2 Antonio Toschi, do Cláudio Magrão, que foram presidentes do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco, e do Milton Cavalo, que é o presidente atual do CMS e também tesoureiro do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco.

A ideia era que o Centro funcionasse como uma instituição intersindical, que presta serviços para os Sindicatos, e que, como o Dieese e o Diesat, fosse mantida pelos sindicatos.

O Metalúrgico – O CMS funcionou (como um arquivo e também fazendo publicações, cursos de formação, etc.) até o início da década de 1990. Depois disto, o CMS não chegou a fechar, mas ficou um tempo sem receber investimento e manutenção…

Carolina – Até que em 2010, as pessoas que se preocupam em preservar a história, como o Milton Cavalo, o Juruna, o Campos, o Miguel Torres, o Paulinho da Força, o Ramalho da Construção, que também colabora com o Centro, o João Inocentini e outros investiram na recuperação do Centro. Fizemos a mudança e temos feito todo um trabalho de recuperação do arquivo e promoção de atividades. Hoje um dos principais desafios do CMS, além de se manter funcionando, é incentivar os sindicatos e os sindicalistas a organizarem seus arquivos e trabalharem no resgate de suas histórias. Há muita documentação espalhada pelos sindicatos, em posse de diretores que gostam do tema e guardam documentos, nas imprensas sindicais, nas secretarias, etc. Mas o ideal é que ela esteja organizada em uma instituição que pode dar o devido tratamento e disponibilizá-la para consulta da sociedade. O movimento sindical no Brasil é muito pouco estudado e por isto é, às vezes, até mal interpretado pelo senso comum. E o CMS pode contribuir para mudar esta situação, organizando e divulgando materiais e registros sobre o sindicalismo.

O Metalúrgico – O que vocês têm sobre o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo?

Carolina – Temos uma grande documentação e depoimentos sobre o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, além de uma grande preocupação em levantar e preservar sua história. Vale lembrar que depois de fundado, em 27 de dezembro de 1932 (o primeiro presidente foi Vicente Guilherme), o Sindicato era dominado pelos ministerialistas – atrelados ao ministério do trabalho. Naquele contexto isso era comum, pois muitos sindicatos foram fundados após a criação do Ministério do Trabalho, em 1930, e no ensejo das leis trabalhistas que começaram a ser elaboradas pelo governo de Getúlio Vargas (consolidadas na CLT em 1943).  Após cinco anos de sua fundação, o Sindicato vivenciou os oito anos de repressão política do Estado Novo de Getúlio Vargas (1937). E retomou suas atividades normais com o fim da ditadura, em 1945 (O sindicalismo ainda sofreria reveses. Em 1946, após o fim do Estado Novo, o então presidente da República Eurico Gaspar Dutra promulgou o decreto 9070 que regulamentou o direito de greve, suspendeu as eleições sindicais, prorrogou por um ano os mandatos das diretorias e tornou obrigatório o famigerado “atestado de ideologia” para que os trabalhadores pudessem concorrer às eleições sindicais. Em 1950, Getúlio, eleito, aboliu a obrigatoriedade do atestado.).

O Metalúrgico – Você disse que só em janeiro em 1951, um grupo mais politizado, de esquerda, ligado ao partido comunista (criado em 1922), assumiu a direção do Sindicato.

Carolina – Naquela data a Chapa encabeçada por Joaquim Ferreira, composta por militantes de esquerda, assumiu a diretoria do Sindicato, rompendo com a conservadora “velha guarda ministerialista”. A ascensão daquele grupo de socialistas, comunistas, foi expressiva e duradoura, sobretudo sob direção de Remo Forli, que venceu as eleições de 1953, e foi reeleito várias vezes até 1962. Tais situações sinalizavam mudanças nas organizações de trabalhadores, nas quais os chamados ministerialistas, que tiveram grande peso no movimento sindical até 1953, sentiram o avanço da oposição ligada, sobretudo ao Partido Comunista.
A ruptura da ambiguidade que pairava sobre o sindicalismo brasileiro (ministerialistas versus comunistas) intensificou-se com a greve geral conhecida como Greve dos 300 mil, em março de 1953, cuja direção teve a hegemonia do Partido Comunista (contando também com filiados do PSB, PTB, PSP e PSD).

A greve começou no setor têxtil e em 26 de março, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo aderiu ao movimento. Gradativamente, carpinteiros, gráficos e vidreiros também anunciaram sua adesão e o movimento ganhou contornos de greve geral.
Reivindicando aumentos salariais e medidas para reduzir o custo de vida que, entre 1943 a 1951, havia subido cerca de 100% em São Paulo, a Greve dos 300 mil paralisou a maior parte dos trabalhadores paulistas durante 29 dias, afetando fortemente o ritmo da capital.  O movimento resultou na vitória dos grevistas e viabilizou o surgimento de lideranças sindicais como os metalúrgicos Fortunato Martinelli, Remo Forli, Conrado Del Papa, Henos Amorina e Eugenio Chemp.

O Metalúrgico – Nas eleições sindicais de 1963, empossada em outubro daquele ano, foi eleita a Chapa da situação, tendo o comunista Affonso Delellis como presidente e José Araújo Placido como secretário-geral. Entretanto, em decorrência da chamada “Rebelião dos Sargentos”,  Delellis e Plácido, foram presos em dezembro.

Carolina – Naquele ano, João Goulart era o presidente da República, e o Sindicato o apoiava, participava do Comando Geral dos Trabalhadores (CGT) e apoiava as reformas de base defendida por Jango. A Rebelião dos Sargentos e a participação do Delellis e do Plácido neste movimento tiveram uma conotação política, já que os insurgentes também apoiavam Jango e por isto foram considerados inelegíveis para o Poder Legislativo pelo STF. Ao serem libertados em janeiro de 1964, eles não reassumiram a direção do Sindicato e passaram para a ação clandestina. Em depoimento dado ao Centro de Memória Sindical, na década de 1980, Delellis afirmou que o golpe militar começou, no Sindicato, com a prisão dele e de Plácido, em dezembro de 1963. Isto demonstra que mesmo antes do golpe de 31 de março de 1964 já havia uma forte perseguição e repressão ao movimento social.

O Metalúrgico – Em 6 de abril de 1964, cinco dias depois do golpe militar, tomou posse o 1º interventor do Sindicato, Carlos Ferreira dos Santos. Sua gestão durou pouco, pois, depois de muita pressão, em janeiro de 1965, foram regulamentadas eleições sindicais, com diversas ressalvas por parte do governo.

sindicato-3Carolina – Era consenso entre os metalúrgicos de São Paulo que, para atuar no Sindicato, a melhor saída naquele momento seria compor com o chamado “grupo do Joaquim”, que não era muito radical e, por isto, dava uma margem de atuação dentro daquele contexto repressivo. Desta forma, o metalúrgico Joaquim dos Santos Andrade, Joaquinzão, foi eleito presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, e tomou posse em 31 de agosto de 1965. Esta eleição iniciou uma nova etapa na vida do Sindicato, marcada pela tentativa de viabilizar a ação sindical dentro dos padrões impostos pela ditadura. Joaquinzão dirigiu o Sindicato durante toda a ditadura militar, entre 1965 e 1987. Entre as tantas passagens importantes deste período do Joaquim, destaco três. A primeira, em 1977, quando a denúncia da manipulação dos índices oficiais da inflação de 1973, pelo Dieese, retomou de vez a ação sindical. A notícia de que o salário dos trabalhadores estava sendo continuamente desvalorizado desencadeou uma onda de greves, que começaram no ABC paulista a partir de 1978, e levou o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo a optar por abrir um processo na Justiça Federal, reivindicando as perdas salariais. Naquele momento havia duas posições dominantes: abrir o processo ou ir para o enfrentamento político, sem abrir o processo. E o Sindicato, dirigido pelo Joaquim, optou por orientar seus trabalhadores a abrirem os processos, já que o mais importante para eles era reaver o dinheiro perdido. Ele demonstrou com isso, coragem em enfrentar os militares e compromisso com a classe trabalhadora.

A segunda, é importante enfatizar que, em 1984, o Sindicato participou ativamente da campanha pelas Diretas Já!, e o Joaquim foi uma das personalidades do comando daquele movimento e da elaboração da Constituinte de 1988.

E a terceira, em novembro de 1985, durante a campanha salarial unificada, os Sindicatos dos Metalúrgicos de São Paulo, de Guarulhos e o de Osasco, que celebravam a mesma convenção coletiva, passaram a negociar com cada empresa a redução da jornada de trabalho, sem redução de salário. Nesta ação conjunta os metalúrgicos não só conseguiram a redução de 48 para 44 horas semanais, conquistas sacramentadas na convenção coletiva da categoria a partir de 1985, como também serviram de exemplo para a extensão deste benefício para todos os trabalhadores brasileiros, contemplado na Constituição de 1988.

O Metalúrgico – Depois disso, já na democracia, o Sindicato projetou novos líderes. Fale um pouco sobre eles.

Carolina – Destaco Luiz Antonio de Medeiros (fundador da Força Sindical), Paulo Pereira da Silva, Miguel Torres, João Carlos Gonçalves, Maria Sallas Dib, que é uma sindicalista histórica, foi também dos têxteis, Nair Goulart, Roberto Sargento, Eufrozino Pereira, Geraldino dos Santos Silva, João Batista Inocentini, Elza de Fátima Costa Pereira e vários outros que têm um pouco uma raiz no trabalhismo (que começou propriamente em 1945, com a fundação do Partido Trabalhista Brasileiro sob a inspiração de Getúlio Vargas, e que depois teve Leonel Brizola como o principal expoente). Também passaram pelo Sindicato o sindicalista Vital Nolasco, Santo Dias, que morreu em 1979, durante um enfrentamento com a polícia do regime militar, Manoel Fiel Filho, que morreu também, em 1976, torturado nos porões do DOI-CODI.
Em 2014, sob a presidência de Miguel Torres, o Sindicato continua a luta pela redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, sem redução salarial, assim como mantém firme as lutas pelo trabalho decente, pela correção da tabela do Imposto de Renda, por um reajuste digno para os aposentados, pelo fim do fator previdenciário e pela valorização do salário mínimo.

O Metalúrgico – Resgatar a história dos trabalhadores é fundamental?

Carolina – Isto ajuda a formar a identidade dos trabalhadores como um grupo organizado e atuante na sociedade, que é capaz, com a sua força, de mudar os rumos da história, como já aconteceu em 1968, em 1978, em 1985, nas marchas pela valorização do salário mínimo, etc. A história do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo é particularmente importante por causa da sua representatividade e pelo fato da sua trajetória estar tão entrelaçada às transformações e à história social do Brasil. O Sindicato é exemplo para diversas outras organizações, que vieram depois, justamente porque tem a experiência de ter passado por duas ditaduras, enfrentado longas épocas de recessão econômica, ter participado da conquista da redemocratização, da retomada do crescimento. Enfim, o Sindicato é resultado destes 82 anos de história”.

 

Comentários



ÚLTIMAS DE

Artigos e Entrevistas

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

A verdade sobre Manoel Fiel Filho

Artigos e Entrevistas

Manoel Fiel Filho No dia 24 de junho de 2015, o Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo denunciou à Justiça Federal sete ex-agentes da...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL