Temos Memória. Contamos a Verdade. Agora, a batalha por reparação e justiça

por Memória Sindical. 05 dez 2014 . 09:38

temos-1O GT (Grupo de Trabalho) dos trabalhadores (composto pelas centrais sindicais na Comissão Nacional da Verdade) fará, no dia 8 de dezembro, o Ato Sindical Unitário, no Sindicato dos Engenheiros de São Paulo.

O GT entregará oficialmente à CNV – Comissão Nacional da Verdade o Relatório Final sobre à perseguição aos trabalhadores, trabalhadoras e ao movimento sindical durante a ditadura. A atividade acontece na segunda-feira (08/12) às 9h30 na sede do Sindicato dos Engenheiros de São Paulo.

Essa iniciativa está dentro do calendário de conclusão dos trabalhos da CNV. A presidenta Dilma receberá da Comissão no dia 10 de dezembro a conclusão dos trabalhos.

Um dos capítulos trata da “Ditadura e Repressão aos Trabalhadores, às Trabalhadoras e ao Movimento Sindical”. Essa parte é resultado do trabalho coordenado pela Drª Rosa Cardoso no GT dos Trabalhadores. Este funcionou como um Coletivo Sindical com a presença das 10 Centrais Sindicais, entidades, associações, centros de memória dos trabalhadores, e organizações de trabalhadores ex-presos políticos.

Também serão apresentadas e divulgadas no dia 08/12 as Recomendações dos trabalhadores à CNV e aos Poderes Públicos. A atividade contará com as presenças da Drª Rosa Cardoso, membro da Comissão Nacional da Verdade e coordenadora do GT dos Trabalhadores; e da Drª Eugênia Gonzaga, Procuradora Regional da República/Ministério Público e Presidente da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos.

O Ato homenageará e permitirá o reencontro dos dirigentes do Comando Geral dos Trabalhadores em 1964, Raphael Martinelli, Comandante Paulo de Mello Bastos (a confirmar) e Clodesmidt Riani. Junto com os representantes das Centrais os remanescentes da executiva do CGT assinarão um requerimento ao Ministério do Trabalho e Emprego para que seja feito o levantamento das intervenções nos sindicatos entre os anos de 1946 a 1988,que correspondem ao período coberto pela Comissão Nacional da Verdade.

Os representantes das entidades Sindicais abrirão na oportunidade diálogo com o Ministério Público para encaminhamento de providências sobre as violações contra os trabalhadores e trabalhadoras.

O relatório do GT dos Trabalhadores tem uma abundância de documentação e testemunhos que comprovam a colaboração de empresários e empresas não só com o golpe, mas na repressão e montagem de sistema de vigilância dos funcionários. Algumas empresas tiveram especial participação no sistema repressivo e serão convocadas. As audiências públicas serão realizadas pelas Comissões Municipais e Estaduais da Verdade que continuam a funcionar embora a CNV tenha concluído seus trabalhos.

O encontro com os atuais dirigentes sindicais simboliza não apenas a unidade de todas as forças organizadas exigindo REPARAÇÃO e JUSTIÇA, mas também o reconhecimento aos que lutaram antes de nós.

O GT dos Trabalhadores produziu um caderno de RECOMENDAÇÕES entregue à CNV, que será divulgado e distribuído. São 43 RECOMENDAÇÕES relativas aos:

1) Dos crimes contra a humanidade que atingiram os trabalhadores e trabalhadoras;

2) Propostas de mudanças na legislação atual autoritária, anti-democrática e anti-sindical;

3) Alterações na política da segurança pública, da organização policia e das forças armadas;

4) Pede garantias e priorização de recursos para política de arquivo e memória dos trabalhadores e suas lutas;

5) Proposta sobre os direitos sociais, trabalhistas e sindicais.

Dentre as recomendações apresentadas pelo GT dos Trabalhadores, destacamos a posição assumida em conjunto com diversas entidades, personalidades, Comitês e Comissões da Verdade, associações de ex-presos políticos e familiares de assassinados e desaparecidos, exigindo a punição dos agentes públicos ou não, responsáveis pelos crimes contra a humanidade, praticados durante a ditadura civil-militar. E mais, propondo investigar, denunciar e punir os autores dos crimes de morte, tortura e desaparecimento forçado das vítimas do golpe e da ditadura civil-militar. (supressão do artigo 1º, § 1º, da lei nº 6.683/79, que concedeu a anistia).

Ato Sindical Unitário

Data: 8 de dezembro
Horário: 9h30
Local: Sindicato dos Engenheiros de São Paulo
Endereço: Rua Genebra, 25 (próximo a Câmara Municipal de São Paulo)

temos-2temos-3

Comentários



ÚLTIMAS DE

Comissão Nacional da Verdade

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

A verdade sobre Manoel Fiel Filho

Artigos e Entrevistas

Manoel Fiel Filho No dia 24 de junho de 2015, o Ministério Público Federal (MPF) em São Paulo denunciou à Justiça Federal sete ex-agentes da...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL