Temos Memória. Contamos a Verdade. Agora, a batalha por reparação e justiça

por Memória Sindical. 05 dez 2014 . 09:38

temos-1O GT (Grupo de Trabalho) dos trabalhadores (composto pelas centrais sindicais na Comissão Nacional da Verdade) fará, no dia 8 de dezembro, o Ato Sindical Unitário, no Sindicato dos Engenheiros de São Paulo.

O GT entregará oficialmente à CNV – Comissão Nacional da Verdade o Relatório Final sobre à perseguição aos trabalhadores, trabalhadoras e ao movimento sindical durante a ditadura. A atividade acontece na segunda-feira (08/12) às 9h30 na sede do Sindicato dos Engenheiros de São Paulo.

Essa iniciativa está dentro do calendário de conclusão dos trabalhos da CNV. A presidenta Dilma receberá da Comissão no dia 10 de dezembro a conclusão dos trabalhos.

Um dos capítulos trata da “Ditadura e Repressão aos Trabalhadores, às Trabalhadoras e ao Movimento Sindical”. Essa parte é resultado do trabalho coordenado pela Drª Rosa Cardoso no GT dos Trabalhadores. Este funcionou como um Coletivo Sindical com a presença das 10 Centrais Sindicais, entidades, associações, centros de memória dos trabalhadores, e organizações de trabalhadores ex-presos políticos.

Também serão apresentadas e divulgadas no dia 08/12 as Recomendações dos trabalhadores à CNV e aos Poderes Públicos. A atividade contará com as presenças da Drª Rosa Cardoso, membro da Comissão Nacional da Verdade e coordenadora do GT dos Trabalhadores; e da Drª Eugênia Gonzaga, Procuradora Regional da República/Ministério Público e Presidente da Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos.

O Ato homenageará e permitirá o reencontro dos dirigentes do Comando Geral dos Trabalhadores em 1964, Raphael Martinelli, Comandante Paulo de Mello Bastos (a confirmar) e Clodesmidt Riani. Junto com os representantes das Centrais os remanescentes da executiva do CGT assinarão um requerimento ao Ministério do Trabalho e Emprego para que seja feito o levantamento das intervenções nos sindicatos entre os anos de 1946 a 1988,que correspondem ao período coberto pela Comissão Nacional da Verdade.

Os representantes das entidades Sindicais abrirão na oportunidade diálogo com o Ministério Público para encaminhamento de providências sobre as violações contra os trabalhadores e trabalhadoras.

O relatório do GT dos Trabalhadores tem uma abundância de documentação e testemunhos que comprovam a colaboração de empresários e empresas não só com o golpe, mas na repressão e montagem de sistema de vigilância dos funcionários. Algumas empresas tiveram especial participação no sistema repressivo e serão convocadas. As audiências públicas serão realizadas pelas Comissões Municipais e Estaduais da Verdade que continuam a funcionar embora a CNV tenha concluído seus trabalhos.

O encontro com os atuais dirigentes sindicais simboliza não apenas a unidade de todas as forças organizadas exigindo REPARAÇÃO e JUSTIÇA, mas também o reconhecimento aos que lutaram antes de nós.

O GT dos Trabalhadores produziu um caderno de RECOMENDAÇÕES entregue à CNV, que será divulgado e distribuído. São 43 RECOMENDAÇÕES relativas aos:

1) Dos crimes contra a humanidade que atingiram os trabalhadores e trabalhadoras;

2) Propostas de mudanças na legislação atual autoritária, anti-democrática e anti-sindical;

3) Alterações na política da segurança pública, da organização policia e das forças armadas;

4) Pede garantias e priorização de recursos para política de arquivo e memória dos trabalhadores e suas lutas;

5) Proposta sobre os direitos sociais, trabalhistas e sindicais.

Dentre as recomendações apresentadas pelo GT dos Trabalhadores, destacamos a posição assumida em conjunto com diversas entidades, personalidades, Comitês e Comissões da Verdade, associações de ex-presos políticos e familiares de assassinados e desaparecidos, exigindo a punição dos agentes públicos ou não, responsáveis pelos crimes contra a humanidade, praticados durante a ditadura civil-militar. E mais, propondo investigar, denunciar e punir os autores dos crimes de morte, tortura e desaparecimento forçado das vítimas do golpe e da ditadura civil-militar. (supressão do artigo 1º, § 1º, da lei nº 6.683/79, que concedeu a anistia).

Ato Sindical Unitário

Data: 8 de dezembro
Horário: 9h30
Local: Sindicato dos Engenheiros de São Paulo
Endereço: Rua Genebra, 25 (próximo a Câmara Municipal de São Paulo)

temos-2temos-3

Comentários



ÚLTIMAS DE

Comissão Nacional da Verdade

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL