Corrente Sindical Classista: 35 anos

10 abr 2023 . 14:41

Fundação da Corrente Sindical Classista. Foto: Portal Vermelho

A década de 80 do século passado no Brasil foi de grande efervescência no movimento sindical. Estes dez anos coincidiram com uma onda de greves no país, a reorganização do movimento sindical e o fim da ditadura.

Um exemplo foi a histórica Conferência Nacional da Classe Trabalhadora (Conclat), realizada de 21 a 23 de agosto de 1981, na Praia Grande, com mais de cinco mil delegados e delegadas, representando 1.091 entidades sindicais.

A Conclat , primeira ação intersindical depois da ditadura, aprovou uma pauta com destaque para a luta pela redemocratização do país. Foi formada uma Comissão Nacional pró-CUT, que teria a tarefa de organizar uma central sindical unitária no país.

Divisões internas, todavia, levaram esse movimento unitário a seguir caminhos distintos. Uma parcela dos sindicalistas resolveu fundar a CUT, em 1983, e outras correntes, que defendiam a unidade do movimento sindical, formaram a CGT em 1986.

Opiniões diferentes sobre organização sindical (pluralismo x unicidade, sindicatos x oposições sindicais) e também sobre a importância da constituição de um movimento amplo para derrotar a ditadura foram as principais causas da divisão.

As correntes defensoras de um sindicalismo classista, unitário e que valorizaram a união de amplos segmentos sociais e políticos para acabar com a ditadura, ajudaram a fundar, em março de 1986, a Central Geral dos Trabalhadores (CGT).

A posição majoritária da CGT, no entanto, aos poucos passou a adotar práticas autoritárias na condução da Central e a impor uma linha de conciliação com o governo Sarney. Com isso, ficou inviabilizada a presença dos classistas em seu interior.

Em resposta a essa letargia da CGT, há exatos 35 anos, no dia 9 de abril de 1988, no ginásio de esportes da Unicamp, em Campinas, uma Plenária Sindical de Entidades rompeu com a direção dessa Central e fundou a Corrente Sindical Classista (CSC).

A plenária da CSC ocorreu durante grave hiperinflação e deterioração da vida dos trabalhadores. Por isso, uma das principais deliberações aprovada foi apoiar a convocação de uma greve geral contra o arrocho salarial e o desemprego.

A CSC se manteve como polo independente do sindicalismo brasileiro, defendendo, entre outros pontos, a pauta dos trabalhadores e uma organização com base na unicidade e na contribuição sindical, posições aprovadas na Constituição de 1988.

Em uma outra conjuntura política foi realizado o II Congresso, em 1990. Collor já era presidente depois de derrotar a candidatura Lula. A CSC avançou para a posição de fortalecer o campo sindical de oposição ao neoliberalismo e ingressar na CUT.

Essa orientação foi concluída no 4o Congresso da CUT, realizado de 4 a 8 de agosto de 1991. Na CUT, a CSC se manteve como corrente interna até 2007. Nesses 16 anos, a Corrente sempre defendeu um sindicalismo classista, unitário e de luta.

Progressivamente, no entanto, os espaços democráticos na CUT foram se estreitando e boa parte das correntes minoritárias foi forçada a procurar caminhos alternativos para defender com maior nitidez suas propostas políticas e sindicais.

Dessa forma, a CSC, fundada em 1988 e com participação na CUT de 1991 a 2007, se juntou a outras correntes para, em dezembro de 2007, protagonizar a fundação da CTB – Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil.

Congresso de Fundação da CTB, em 13 de dezembro de 2007. Foto: CTB

A existência de uma corrente que se apoia na unidade, na democracia, na amplitude e em um sindicalismo de orientação classista é essencial para a luta pela valorização do trabalho e dos trabalhadores e para a conquista de um novo regime social.

A trajetória da CSC é parte importante da história do sindicalismo classista brasileiro. Por isso, esses 35 anos de sua fundação merecem ser celebrados, para fazer jus ao que ensina Paulinho da Viola: “quando eu penso no futuro, não esqueço o meu passado”.

Nivaldo Santana é Secretário Sindical do PCdoB

Comentários



ÚLTIMAS DE

Artigos e Entrevistas

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons