Entrevista com Cláudio Magrão de Camargo Crê

por Memória Sindical. 16 mar 2016 . 12:42

entrevistaa4-1
Cláudio Magrão de Camargo Crê

Metalúrgico, presidente da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo e vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco. Participou da fundação da Força Sindical, sendo seu primeiro secretário de Formação Sindical.

Leia aqui a entrevista em inglês

Entrevista realizada em 21 de junho de 2011

Política de formação de dirigentes nos 20 anos da Força Sindical

Entre 1992 e 2000, conseguimos elaborar, na Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas do Estado de São Paulo, importantes programas de formação e qualificação profissional de dirigentes sindicais e de trabalhadores empregados e desempregados. Milhares de pessoas passaram pelos bancos escolares da Federação e dos 54 sindicatos de metalúrgicos filiados a nossa entidade.
Isto é muito importante, uma vez que quanto maior o nível de conhecimento do dirigente, melhor a sua atuação em defesa dos direitos e anseios dos trabalhadores.
Além disso, das obrigações nas entidades sindicais, hoje em dia a sociedade exige a participação dos trabalhadores na administração direta e indireta do Estado. Para participar dos Conselhos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, da Previdência e do Fundo de Amparo ao Trabalhador, o dirigente precisa ter formação específica e um bom nível de conhecimento político, econômico e social. E não apenas os trabalhadores têm a ganhar: toda a sociedade ganha com a qualificação dos dirigentes sindicais.

Desafios na qualificação de dirigentes sindicais

Embora, nestes 20 anos, tenhamos conseguido alguns avanços nesta área, a ação dos sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais ainda deixa a desejar. De um modo geral, os recursos financeiros dessas entidades são direcionados a outras atividades que não a qualificação. Acredito que há um certo receio de muitos dos atuais sindicalistas em serem superados pelos novos companheiros, e por isto não investem na formação na base.

Trabalhadores sem formação sindical se destacaram em 1978

Os dirigentes que surgiram naquela época refletiam os contextos objetivo e subjetivo em que viviam. São companheiros e companheiras que se formaram no calor da luta pela reposição da inflação e pela recuperação e valorização salarial, e que acabaram ganhando o respeito dos trabalhadores. Reivindicávamos, na época, cerca de 100%, 200% de aumento. A estabilização econômica e a globalização da economia passaram a exigir outro tipo de dirigente. Passaram a exigir dirigentes capazes de arrancar dos patrões, além do ganho salarial, reivindicações sociais, como melhores condições de trabalho, ajuda alimentação, qualificação e requalificação profissional. A situação atual é diferente. Não é tão acirrada, mas o sindicalista precisa estar atualizado com as exigências do mundo que o rodeia.

Capacitação de Dirigentes Sindicais de Base

Estamos ministrando o curso de Capacitação de Dirigentes Sindicais de Base – nos sindicatos de Araras, Ourinhos, Franca, Cruzeiro, Espírito Santo do Pinhal, Fernandópolis, Piracicaba, Tatuí, Embu-Guaçu, Artur Nogueira, Cerquilho, Marília, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto e Mogi-Guaçu – na sede da entidade, na Capital de São Paulo. Os debates giram em torno de temas essenciais à luta trabalhista. Entre outros temas, os sindicalistas discutem a história do movimento sindical, estrutura sindical e noções básicas de economia. Temos uma política de formação permanente dos dirigentes, para ampliar nossa atuação na base e fortalecer, assim, as nossas lutas sindicais. Pela nossa previsão, até o final de 2011 cerca de trezentos sindicalistas terão passado pelos bancos da nossa Federação.

Federação conectada ao mundo virtual

A Federação está conectada – e busca sempre se atualizar – no mundo virtual e nas atuais redes sociais. Este é um braço que pode ajudar muito na qualificação e na formação dos dirigentes sindicais. E as entidades sindicais têm sabido aproveitar bem as ferramentas digitais para ampliar e divulgar suas ações, bem como para fomentar diálogos e debates. A Internet é um poderoso instrumento de mobilização, e representa uma forma a mais de levar informação e promover o intercâmbio entre o movimento sindical e demais setores da sociedade.

Comentários



ÚLTIMAS DE

Artigos e Entrevistas

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Sindicato dos Professores de São Paulo promove debate e exposição sobre a Revolução Russa

Cultura

Acontecimento de importância decisiva no mundo contemporâneo, a Revolução Russa construiu e destruiu utopias e mudou as referências políticas e ideológicas da nossa era. Sua...

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL