Cidade Negra canta: Luta de classes

14 maio 2021 . 18:41

Nos dias 11 e 13 de maio comemoramos duas datas importantes para a luta social e, especialmente, para o combate ao racismo e pela valorização do povo negro e sua história.

O Dia Nacional do Reggae, em 11 de maio, marca a morte do músico pacifista jamaicano, Bob Marley. Nascido de uma mistura de estilos caribenhos e norte-americanos, o reggae de Marley, foi considerado quase como uma religião, um convite à comunhão frente a violência e a pobreza que afligiam a Jamaica, em especial o subúrbio de Trench Town, nos anos de 1970. Não à toa, Bob Marley é merecidamente celebrado como a voz dos pobres e oprimidos e como um símbolo de resistência negra. No Brasil o 11 de maio foi instituído como o Dia Nacional do Reggae em 2012, como forma não só de homenagear, mas de reconhecer a influência do ritmo incorporado na cultura popular brasileira.

Mas a data mais determinante que marcamos aqui é a abolição da escravidão no Brasil, em 13 de maio de 1888, há somente 133 anos.

Sim, o dia da abolição é uma oportunidade para um debate acerca da situação dos negros no país. Uma oportunidade, inclusive, para afirmar que a questão dos negros não está circunscrita ao 13 de maio ou 20 de novembro. No Brasil ela é onipresente. Em todos os momentos, em todos os olhares de desconfiança, medo e de superioridade das elites brancas. Presente no fato de os negros morrerem mais, mais jovens, trabalharem mais e ganharem menos. Presente da Maré, a nossa Trench Town, à Jacarezinho.

São muitas as músicas que tratam da questão da abolição, da forma limitada como ela ocorreu e que alertam para o drama e para as sequelas sociais da falta de política de inserção dos ex-escravos recém libertos. A música Luta de Classes, da banda Cidade Negra, nos permite, além de abordar esta questão tão cara aos trabalhadores e trabalhadoras, fazê-lo de forma a contemplar também o reggae, a cultura negra e sua grande influência não apenas como estilo, mas como uma mensagem de paz.

A canção aparece no segundo álbum da banda carioca Cidade Negra, de nome A Sombra da Maldade. Sua letra traz a ideia tradicional de Luta de Classes. A História teria na Luta de Classes o motor de seu desenvolvimento, marcada pelo confronto e pela contradição entre os que detém a posse dos meios de produção e os que detém a força de trabalho. Transformar sociologia em música pop requer um intenso processo de depuração. Mas pode ser uma atitude eficiente para agregar conteúdo à cultura e, sobretudo, semear um pensamento crítico na sociedade.

Luta de Classes

 (Composição: Samuel Rosa e Chico Amaral/1994)

Intérprete: Cidade Negra

Tudo que eu posso ver
(Essa neblina…)
Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo que eu posso ver
(Essa fumaça…)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça
Mas eu quero te contar os fatos
Eu posso mostrar fatos pra você
É só ter um pouco mais de tato
Que fica claro pra você
Desde a antiguidade
As coisas estão assim, assim.
Os homens não são iguais, não são.
Não são iguais, enfim!

Daí toda essa história
Daí a história surgiu
Escravos da Babilônia,
Trabalhador do Brasil.
Tudo que eu posso ver
(Essa neblina…)
Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo que eu posso ver
(Essa fumaça…)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça

Mas veio o ideário
Da tal revolução burguesa
Veio o ideário, veio o sonho socialista.
Veio a promessa de igualdade e liberdade
Cometas cintilantes que se foram pela noite
Existirão enquanto houver um maior!

Daí é que veio a história
Daí a história surgiu
Escravos da Babilônia,
Trabalhador do Brasil.

Do antigo Egito à Grécia e Roma
Da Europa feudal
Do mundo colonial
Do mundo industrial
Na Rússia stanilista
Em Wall Street
Em Cuba comunista
E no Brasil?
E no Brasil, hein?

Daí é que vem a história
Daí a história surgiu
Escravos da Babilônia,
Trabalhador do Brasil.

Baixada!!
(Essa neblina…)
Chega junto, baixada!!
(Essa esquina…)

Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo o que eu posso ver
(essa fumaça)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça

 

 

Comentários



ÚLTIMAS DE

Música e Trabalho

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons