Exposição Feminino Plural une arte, moda, sindicalismo e luta social

03 jun 2021 . 17:01

A Avenida Paulista acordou mais colorida nesta quinta feira ensolarada. A já tradicional exposição que a União Geral dos Trabalhadores (UGT) realiza anualmente na mais emblemática avenida de São Paulo celebra o feminino e se posiciona na luta contra o racismo e todo tipo de opressão de gênero. 

O clima na inauguração, sempre respeitando os protocolos de contenção ao coronavírus, era de acolhimento e convergência. Convergência em torno de uma pauta humanitária e de um debate atual. Desta forma o sindicalismo, mais uma vez, usa a criatividade para manifestar suas bandeiras. Estavam por ali jornalistas, pessoas das artes e da moda, curiosos e interessados, o idealizador do projeto, André Guimarães, além de sindicalistas como Ricardo Patah, presidente da UGT, Chiquinho Pereira, o Chiquinho dos Padeiros, Atnágoras Lopes, do Conlutas, e João Carlos Juruna, da Força Sindical.

Desde 2015 a UGT promove grandes exposições no canteiro central da Av. Paulista para apreciação de todos e todas. As edições anteriores apresentaram os temas “30 Anos de Redemocratização do Brasil” (2015); “100 Anos do Samba” (2016); “17 Objetivos para Transformar o Mundo” (2017); “A Quarta Revolução Industrial” (2018); “Direito do avesso/Avesso do direito” (2019) e “Liberdade e Democracia” (2020). O evento era tradicionalmente realizado em maio, mês do trabalhador. Devido à pandemia e ao 1º de Maio virtual realizado pelas centrais sindicais, desde 2020 a exposição passou para junho.

Da esquerda para direita: Maradona, dos eletricitários, Juruna, da Força Sindical, a Secretária do Governo de SP, Atnágoras da Conlutas, Vereadora de SP, Criola, Ricardo Patah, Chiquinho dos Padeiros e Cláudia LIz.

Neste ano a central convidou a jornalista Lillian Pacce, um nome conhecido do mundo da moda, para a curadoria. Foi ela quem selecionou as duas artistas Criola, apelido da grafiteira e ativista Tainá Lima, e Cláudia Liz, ex-modelo, artista e ilustradora, que representariam experiências diversas.

Ao portal São Paulo São Ricardo Patah declarou: “Feminino plural, esse tema sempre foi muito caro à UGT. Essas bandeiras nos acompanham desde a nossa fundação, em 2007. Agora, estamos fazendo essa exposição, homenageando as mulheres. Todas elas, brancas ou pretas, são muito importantes nessa luta pela igualdade de direitos”.

Já André Guimarães chamou a atenção para o alcance das obras: “A Exposição em formato virtual amplia para todo o Brasil e para fora também o alcance da Exposição para além dos 5 milhões de pessoas diferentes que passam em um mês pela Paulista. As ações digitais de lançamento, como podcasts e lives com curadoria e artistas, aumentam a eficiência das contrapartidas aos patrocinadores e massifica ainda mais a discussão de temas tão fundamentais como etnia e gênero”.

Cláudia Liz fala sobre a exposição.

As artistas, por sua vez, declararam:

“Homenageio aqui mulheres que tem muito a nos ensinar e convido vocês a ouvirem suas vozes, convido vocês também a refletirem sobre padrões de beleza que encarceram o feminino e sobre o desejo de liberdade e de segurança para simplesmente ser mulher e exercer uma cidadania plena e equitativa. Não há espaço na Paulista para todas nos entrarmos, então selecionei algumas mulheres que foram importantes nessa reflexão: Djamila Ribeiro, Tomie Ohtake, Sonia Guajajara, Marielle Franco, entre outras” disse Cláudia Liz. E Criola emenda: “Fico muito feliz e honrada com o convite para participar desse projeto, principalmente pela importância em abordar temas urgentes e necessários exatamente nesse momento histórico que estamos atravessando.”

As artistas posam com representantes do governo paulista. Ao fundo, os painéis.

Estive lá e vi a força das obras. Das pinturas da Cláudia senti um DNA do modernismo. Um modernismo atualizado. E nas da Criola, uma Pop Art bem brasileira e com temas de hoje. Ambas com mensagens que nos inspiram para a luta e para a vida.

O sindicalismo é sim moderno e antenado!

Visite lá a exposição Feminino Plural até o dia 30 de junho.

Ciclovia da Av. Paulista, da Rua Augusta até a Alameda Campinas.
Realização: UGT – União Geral dos Trabalhadores.
Coordenação Artística: Mônica Maia e Fernando Costa Netto – DOC Galeria.
Curadoria: Lillian Pacce.
Artistas: Criola e Claudia Liz.
Exposição virtual: Daniel Kfouri.

Comentários



ÚLTIMAS DE

Cultura

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons