Os coveiros em Hamlet – a primeira aparição de trabalhadores no teatro

15 dez 2020 . 16:49

A autora discute a política profética da cena do Coveiro no Hamlet de Shakespeare, em que a justiça baseada na classe e a igualdade humana fundamental são discutidas por aqueles cuja tarefa será “acertar o tempo” pela agitação revolucionária. A cena é a primeira aparição de trabalhadores no teatro mundial.

Pintura Hamlet e Horatio antes dos Coveiros, de Eugene Delacroix, 1843

por Jenny Farrell

Dificilmente existe um país ou idioma no mundo que não esteja familiarizado pelo menos com o nome de Shakespeare. Sua poesia teve um impacto na língua inglesa como nenhuma outra. Como se explica sua popularidade duradoura e abrangente? Shakespeare tem algo a dizer aos tempos em que vivemos?

Hamlet é uma das peças de Shakespeare mais famosas, senão a mais famosa. No entanto, esta cena raramente é totalmente representada e, quando o é, é considerada um trecho de alívio cômico: a cena do coveiro no início do ato final da tragédia. Um olhar mais atento a essa cena revela muito do que é Shakespeare e o que ele tem a oferecer ao público do século XXI.

O Ato 5 começa com a primeira aparição de pessoas que trabalham, como pessoas que agem independentemente no cenário. São dois coveiros discutindo a corrupção na sociedade, seu próprio valor e a igualdade de toda a humanidade. O significado disso dificilmente pode ser superestimado.

A cena começa com os coveiros, inteiramente sozinhos e totalmente autossuficientes, conversando e comentando sobre as injustiças sociais. As vítimas de suicídio normalmente não eram, naquela época, enterradas no cemitério de uma igreja. Os coveiros comentam como esta regra não se aplica à nobreza e como os advogados garantem isso: “A questão da Crowner [inquérito do legista] lei.” Eles riem de sua própria lógica de que, portanto, os ricos têm mais motivos para se matar do que seus companheiros cristãos comuns: “As grandes pessoas deveriam ter rosto neste mundo para se afogar ou se enforcar mais do que até mesmo seus cristãos” (seus iguais).

Essa linha de pensamento passa rapidamente para uma expressão surpreendente de respeito próprio: “Não há nenhum cavalheiro antigo além de jardineiros, caçadores de valas e túmulos. Eles sustentam a profissão de Adão.” O coveiro está fazendo uma conexão com a Revolta Camponesa de 1381, na qual um dos líderes, John Ball, perguntou em um sermão:

“Quando Adão mergulhou e Eva se estendeu, quem era então o cavalheiro?”

Essas palavras, ditas na época do camponês que se revoltava, em um sermão em Blackheath, perto de Londres, tornaram-se lendárias. A próxima frase é: “Desde o início, todos os homens, por natureza, foram criados iguais.” John Ball deduziu a igualdade da humanidade de sua descendência comum de Adão. Ele defendeu a igualdade social para todos, e o coveiro desenvolve essa ideia.

O brasão de um cavalheiro é rapidamente reinterpretado para significar armas físicas como as únicas armas que valem a pena ter. Eles permitem que as pessoas trabalhem e construam. Isso, por sua vez, leva a brincadeiras sobre um coveiro construindo a mais permanente das casas: “As casas que ele faz duram até o dia do juízo final.”

Os trabalhadores nesta cena recebem mais espaço do que os atores em uma cena anterior. Eles são mais claramente desenhados como indivíduos; eles têm uma relação direta e não romântica com seu trabalho, sobre o qual Hamlet e Horátio comentam. Eles estão soberbamente confiantes. O humor que trazem para o palco atua como um alívio cômico para a tensão crescente da trama principal, mas é muito mais do que isso: é uma manifestação da integridade absoluta dos coveiros.

Os coveiros são ainda mais radicais em sua compreensão da morte do que Hamlet. Hamlet exibiu um conceito profundamente materialista de morte (ou seja, físico sem referência a uma alma) no momento da morte de Polônio, mas ele é pego de surpresa no início pelo tratamento sem cerimônias de ossos humanos pelo coveiro cantante.

O lançamento de crânios pelo coveiro, independentemente de quem eles possam ter sido, é paralelo às declarações anteriores de Hamlet sobre o papel nivelador da morte, sugerindo a igualdade natural de toda a humanidade. Este é um exemplo de duplicação ou reafirmação de uma ideia. Além disso, Shakespeare está enfatizando que os coveiros trabalhadores alcançaram os mesmos insights que Hamlet, formado na universidade, por meio de seu trabalho, vida e pensamento independente.

Hamlet expressa com Horácio sua repulsa por padrões duplos (mais duplicação, já que os coveiros acabaram de discutir o mesmo) antes de se dirigir ao coveiro. Mas ele terá uma surpresa quando começar a falar com o coveiro. Este homem é igual a ele nas importantes questões de trocadilhos, honestidade e integridade.

O tema de uma humanidade comum fundamental, uma espécie de comunismo emocional, é sublinhado quando Hamlet se junta ao coveiro, junto com Horatio. Todos eles ocupam o mesmo espaço e têm uma discussão científica sobre o processo de decomposição, relacionando-o com os comentários de Hamlet sobre a morte no momento da morte de Polônio.

Capa do livro Fear Not Shakespeare’s Tragedies: A Comprehensive Introduction (Não tema as tragédias de Shakespeare: uma introdução abrangente) de Jenny Farrell

Neste momento, no cemitério, vemos representantes da classe trabalhadora junto com o príncipe humanista e o estudioso humanista de classe média. Eles se entendem totalmente e sem hierarquia. No nível da linguagem, eles são iguais: ninguém pode enganar os coveiros. A igualdade humana básica é enfatizada e a crítica social feita, enquanto eles agitam os crânios.

Quando Hamlet recebe o crânio de Yorick, o bobo da corte de sua infância, ele vividamente se lembra dele e alude mais uma vez à perfectibilidade da humanidade, bem como à natureza material da morte. Hamlet, Horácio e os coveiros são aliados naturais. Existem apenas algumas ocasiões na peça em que Hamlet se sente relaxado e com seu próprio tipo de pessoa – uma pessoa íntegra e honesta. Essa cena é um desses momentos; outra é quando ele interage com os atores.

Ao nos perguntar por que Hamlet acha difícil “acertar” seu tempo, devemos considerar quais aliados estão disponíveis para ele. Eles estão todos reunidos no cemitério. Torna-se claro que seu empreendimento é quase impossível, e que uma solução está no futuro. Levaria mais quarenta anos ou mais antes que personagens semelhantes fossem uma força forte o suficiente na sociedade inglesa para desafiar e executar seu rei, ou formar movimentos cujos objetivos incluíam uma sociedade mais justa e igualitária, na Revolução Inglesa de 1640-1660.

Nesse contexto, a função da cena na tragédia torna-se extraordinariamente clara. Ela expande nossa compreensão das alternativas de Hamlet, que são históricas e ligadas às forças de classe, bem como pessoais, mesmo que sua hora ainda não tenha chegado. É claro que neste episódio a desigualdade social e a igualdade humana estão sendo discutidas por aqueles cuja tarefa será ‘acertar o tempo’ – pela convulsão revolucionária. Neste ano centenário da Revolução Russa (2017), que foi a primeira tomada de poder do Estado por representantes de trabalhadores e camponeses (incluindo coveiros), o episódio é mais relevante do que nunca.

Jenny Farrell nasceu em Berlim, trabalha como conferencista no Galway Mayo Institute of Technology e vive na Irlanda desde 1985. Escreve para “Culture Matters”, “People’s World” e “Socialist Voice”, jornal do Partido Comunista da Irlanda. É autora de Revolutionary Romanticism – Examining the Odes of John Keats, Nuascéalta, 2017, e editora de Children of the Nation, An Anthology of Working People’s Poetry from Contemporary Ireland, Culture Matters, 2019. Seu (Nuascéalta, 2016), está disponível online neste link.

Fonte: Culture Matters

Tradução: José Carlos Ruy

Comentários



ÚLTIMAS DE

Cultura

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons