O Dia da Luta Operária mantém viva a nossa história

29 jun 2021 . 16:17

Por João Carlos Juruna, Chiquinho Pereira, Wagner Gomes e Álvaro Egea

A Greve Geral de 1917 tem muito a nos dizer. Ainda mais nesses tempos sombrios, quando o governo parece retroceder à República Velha, aos anos anteriores ao processo de urbanização e industrialização que se verificou nos governos de Getúlio e Juscelino.

Durante aquela greve ocorrida há 104 anos, o jovem sapateiro José Martinez morreu baleado por soldados da antiga Força Pública no dia 9 de julho. E, em 2017, por lei municipal de autoria do vereador de São Paulo, Antônio Donato (PT) a data de sua morte inspirou a criação do Dia da Luta Operária. Esse é o nosso 9 de julho.

Polícia dispersando grevistas em 1917/Arquivo Edgard Leuenroth

Como disse José Luiz Del Roio, jornalista e ativista italiano, para o Centro de Memória Sindical[1], as reivindicações de 1917 eram as mesmas que se reproduziam naquela época: uma jornada que desse para viver e um salário que desse para não morrer de fome.

Fac-símile do Jornal A Plebe de 21 de julho de 1917/Arquivo Centro de Memória Sindical

O perfil daqueles trabalhadores foi definido pelo jornalista João Guilherme Vargas Netto[2]: “Uma massa enorme de ex-escravos, recentemente libertados e sobrevivendo sem nenhum direito. Alcoolismo, doença, dispersão compunham o quadro social dos trabalhadores do Brasil, além do grande peso de trabalhadores imigrantes recém-chegados, que se acumulavam em verdadeiros guetos ou bairros étnicos”.

Troféu José Martinez

É seguro dizer que a classe trabalhadora vive hoje uma situação melhor do que a miséria que levou à ocorrência da Greve de 1917. Desde então o país passou por um processo de amadurecimento político e social que projetou líderes e personalidades importantes como: o ferroviário Raphael Martinelli, a tecelã Eunice Longo, ambos homenageados do Dia da Luta Operária de 2019, a economista Lenina Pomeranz, primeira diretora técnica do Dieese, e Hugo Perez, o eletricitário idealizador da primeira Conferência Nacional da Classe Trabalhadora, Conclat, que receberão o troféu José Martinez no dia 9 de julho de 2021.

Mas, embora tenhamos mais força e condições de luta hoje do que já 104 anos, é fundamental entender que a história não caminha em linha reta. Ela se desenvolve através de avanços e recuos, movida por interesses conflitantes. E desde 2016 vivemos um enorme recuo.

A reforma trabalhista custou direitos e proteção ao trabalhador, sobretudo a proteção sindical. Chamou-se de modernização a pejotização, o trabalho intermitente, o acordado sobre o legislado, a inviabilização do custeio sindical, o desmonte da nossa CLT e a supremacia do mercado como o regulador das relações entre patrão e empregado.

Essa é a principal lição que a Greve de 17 oferece hoje: a incoerência do discurso que baseou a destruição de direitos iniciado no governo de Michel Temer e aprofundado por Jair Bolsonaro defendido como “modernização trabalhista”.

Travestido de moderno, esse discurso remonta à República Velha, à passagem do trabalho escravo ao trabalho assalariado, quando a burguesia, impregnada da visão escravista, considerava que os novos assalariados não tinham direito nenhum.

Desde 2016, os governos do atraso promoveram o caminho inverso da política desenvolvimentista dos anos de 1930 e 50, tirando o trabalhador da classe média e jogando-o na pobreza.

Por isso conhecer e valorizar a história é uma ação vital para um povo e para uma nação. O engodo da modernização pode pegar desprevenido o trabalhador que não conhece o passado de sua classe e, desprevenido, esse trabalhador pode até ser massa de manobra para interesses contrários aos dele.

Isso dá à iniciativa do vereador Donato, de criar o Dia da Luta Operária homenageando lideres populares e sindicais, uma dimensão grandiosa. Ela proporciona que todo ano tenhamos um dia para lembrar e falar sobre aquela greve, além de resgatar outras histórias vividas pelos homenageados. Assim nunca esqueceremos do operário morto naquele 9 de julho de 1917 por reivindicar o mínimo para viver.

João Carlos Juruna é secretário geral da Força Sindical

Chiquinho Pereira é secretário Nacional de Organização, Formação e Políticas Sindicais da União Geral dos Trabalhadores (UGT)

Wagner Gomes é secretário geral da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB)

Álvaro Egea é secretário geral da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB)

 

[1] Em entrevista para a revista sobre os 100 anos da Greve de 1917.

[2] Também em entrevista para a revista sobre os 100 anos da Greve de 1917 do Centro de Memória Sindical.

Comentários



ÚLTIMAS DE

100 anos da Greve de 1917

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons