21 de julho 1983: Greve Geral

por Memória Sindical. 24 abr 2017 . 14:06

No início da década de 1980, as profundas mudanças que ocorriam no Brasil refletiam um contexto internacional marcado pela eleição do presidente norte-americano Ronald Reagan (1981) que, de mãos dadas com a primeira ministra britânica, Margareth Tatcher, orquestrou uma política econômica internacional calcada no estado mínimo e na austeridade fiscal.

Pressionada pelos encargos da dívida externa, a economia brasileira entrou em colapso fazendo o governo recorrer aos empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI), que impôs severas condições para efetuar a transação.

Subordinado ao FMI, o governo teve que mudar as regras para a política salarial, ajustando os vencimentos abaixo da inflação, e para os gastos do governo, minimizando os investimentos na área social.

A elevação do desemprego e do custo de vida foram consequências imediatas. E a imposição de uma série de decretos pioraria ainda mais a vida dos trabalhadores.

O primeiro deles foi o decreto-lei nº 2.012 – de 25 de janeiro de 1983, sobre a política salarial. O segundo, de 30 de maio de 1983, decreto 2025, que eliminava benefícios e direitos dos empregados das estatais e do funcionalismo público, levou os trabalhadores a aprovarem, no dia 16 de junho, o estado de greve.

Treze dias depois, o presidente Figueiredo assinou um novo decreto, o 2036, que retirou do funcionalismo direitos como: abono de férias, promoções, auxílios alimentação e transporte, salário adicional anual e a participação nos lucros.

Manifestações contra as medidas do governo se espalhavam pelo país. Mas, mesmo assim, o famigerado decreto 2045 foi anunciado em 14 de julho de 1983. O 2045 arrochou ainda mais os salários e atingiu os aluguéis e o Sistema Financeiro da Habitação (SFH).

Seguiu-se daí uma grande mobilização entre os trabalhadores, que se prepararam para a greve.

Uma semana depois da decretação do 2045, dia 21 de julho de 1983, uma quinta feira, cerca de três milhões de trabalhadores de diversas categorias e Estados paralisaram suas atividades na maior greve geral ocorrida durante o regime militar.

Aquele dia amanheceu como um feriado. Entre os grevistas, a adesão de 255 motoristas e cobradores de ônibus reforçou o clima de paralisação que dominava a cidade de São Paulo. E a cavalaria da Polícia Militar, que tomou o centro da cidade, promoveu uma intensa repressão, com mais de 800 prisões.

Apesar disso, os trabalhadores conseguiram derrubar os decretos 2036 e 2045 e todo esse processo de lutas contra os decretos levou a um expressivo aumento da participação dos trabalhadores nas assembleias sindicais.

 

Comentários



ÚLTIMAS DE

Documentos Históricos

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL