A Árvore dos Tamancos

por Memória Sindical. 10 abr 2013 . 10:14

aavore-1

A transição do Feudalismo para o Capitalismo começou a partir do século XI. Nesse processo, o sistema de produção, bem como da vida da grande massa populacional foi se transformando de forma abrupta.

 


Por Ricardo Flaitt

aarvore-2

 

A Árvore dos Tamancos (L´Arbero Degli Zoccoli)
Itália/França, 1978
Ermanno Olmi
Com Luigi Ornaghi, Francesca Moriggi, Omar, Brignoli, Antonio Ferrari, Teresa Bresciani, Giuseppe Brignoli.

 

Com as mudanças nas relações comerciais, econômicas, de poder (políticas), o mundo foi adotando novos valores e composições sociais. Com isso, as pessoas foram perdendo o contato com antigos valores.

Há que se considerar que o homem no modo de produção feudal também sofria os efeitos da exploração. No modo de produção capitalista, o homem perde a propriedade dos bens de produção, do controle do seu tempo e da sua força de trabalho.

O Sistema Capitalista, em sua velocidade, aliena o homem, afasta-o de sua natureza, como bem disse o poeta Affonso Romano de Sant´Anna, em “Carta aos Mortos”: (…) Alguns hábitos, rios e florestas / se perderam. / Ninguém mais coloca cadeiras na calçada / ou toma a fresca da tarde, / mas temos máquinas velocíssimas / que nos dispensam de pensar.

Quando não se submetiam à venda de sua força de trabalho, os trabalhadores ocupavam as terras em sistemas de parceria da produção, onde o meeiro, era uma das formas de parceria, e tinha que viver com o que recebiam da venda de parte do que produziam nas terras do Senhorio. Num sistema ainda muito impregnado do sistema de vassalagem feudal (transição).

O ápice dessas transformações/revoluções no modo de se produzir e de se viver aconteceu no século XVIII, como consequência da revolução industrial, que iniciou na Inglaterra.

Com objetivo de retratar a relação homem e o trabalho no cinema, o diretor Ermanno Olmi, em “A Árvore dos Tamancos” faz um recorte histórico, metonímico, onde enfoca a vida de famílias na região da Lombardia, norte da Itália, e suas dificuldades para sobreviver como meeiros nas terras do Senhorio.

Como forma narrativa, no roteiro também assinado por Olmi, a história apresenta fragmentos dessas famílias, formando, ao final, um grande painel de como era a vida dos trabalhadores rurais no final do século XIX.
O mosaico de Olmi é formado de histórias que se entrelaçam como o surgimento do amor entre um casal de jovens camponeses; o trabalhador idoso que pensa como fertilizar os tomates antes da época para buscar maior ganho; as diferenças entre as famílias, a disputa pela produção; e a força da religião que permeia a todos e alimenta suas almas.

O título, “A Árvore dos Tamancos” é talhado a partir da história emocionante de um casal de trabalhadores, que luta para não transferir ao filho pequeno, o legado de suas duras vidas no campo, do trabalho incessante e da falta de acesso ao conhecimento.

Porém, a vontade dos pais em ver o filho estudar esbarra nas dificuldades práticas da vida. A escola localiza-se a quilômetros da fazenda e os recursos são parcos, a ponto de terem dificuldade de comprarem sapatos ao menino.
Numa sequência emocionante e trágica, em uma dessas longas caminhadas à escola, o menino vê seu sapato de madeira rachar. O pai, então, resolve cortar uma árvore para fazer, madrugada adentro, um novo par de sapatos para que o filho não perca os estudos.

Olmi, de forma poética, ilustra os desafios do casal para encaminhar o menino aos estudos. Coloca-nos a pensar sobre a condição do acesso ao Conhecimento para a grande massa operária e o Saber como instrumento de dominação.
Contrapondo-se ao Conhecimento, o filme enfoca também o papel e o peso da religião na comunidade. Uma forma de explicar os desencontros do mundo criado pelo homem social.

A força de “A Árvore dos Tamancos” está em sua atemporalidade e universalidade. O retrato das vidas dos trabalhadores da Lombardia pode ser o retrato de milhões de trabalhadores no mundo atual.

Mudam os artefatos, as tecnologias, a exploração do homem pelo homem; porém a equalização das desigualdades ainda representam um grande desafio para sistema capitalista, que cada vez mais caminha, de forma vertiginosa, para uma vida tecnicista e alienante, como já preconizou Godard em “Alphaville”.

Música não original: Johann Sebastian Bach.

Prêmios:
– Festival de Cannes 1978 (França): Ganhou a Palma de Ouro (melhor filme) e o Prêmio Especial do Júri Ecumênico.
– BAFTA 1980 (Reino Unido): Recebeu o Flaherty Documentary Award.
– Prêmio César 1979 (França): Venceu na categoria de melhor filme estrangeiro.
– Prêmio David di Donatello 1979 (Itália): Venceu na categoria de melhor filme.
– Academia Japonesa de Cinema 1980 (Japão): Indicado na categoria de melhor filme em língua estrangeira.
– Prêmio NYFCC 1979 (New York Film Critics Circle Awards, EUA): Venceu na categoria de melhor filme em língua estrangeira.
Curiosidades:
– Todo o elenco foi formado por camponeses reais da província de Bérgamo, na Itália, e não tinham nenhuma experiência como atores.


Ricardo Flaitt, Alemão, é assessor de imprensa da Federação dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo, colaborador no Centro de Memória Sindical e estudante dos cursos de História e Gestão Pública
*Revisão crítica: Dra. Carmen Lucia Evangelho Lopes

 

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

VER MATÉRIA

Sindicato dos Professores de São Paulo promove debate e exposição sobre a Revolução Russa

Cultura

Acontecimento de importância decisiva no mundo contemporâneo, a Revolução Russa construiu e destruiu utopias e mudou as referências políticas e ideológicas da nossa era. Sua...

VER MATÉRIA

Vote pra valer! Não desperdice o seu direito conquistado

Apostilas de Formação

A descrença com a política é compreensível frente à flagrantes de corrupção, de mau uso do patrimônio público e da precária oferta de serviços e...

VER MATÉRIA

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL