A preleção da vida entre Manoel de Barros e Manuel Garrincha

por Memória Sindical. 19 nov 2014 . 17:31

 

prelacaoprelacao-2

Por Ricardo Flaitt, Alemão

Manoel de Barros brincou com a gramática. Eterna criança, fez do verbo o seu instrumento de libertação. Sua brincadeira era construir o mundo desconstruindo-o com palavras.

Garrincha, gênio, anjo, brincava e voava com a bola e desconstruía os adversários com dribles, que também eram difíceis de serem lidos. Derrubava os zagueiros no chão, bagunçava o esquema tático, assim como Manoel de Barros bagunçava a Língua Portuguesa.

Os dois amavam os passarinhos, Garrincha, até tinha o nome de um. Os dois, em tabela, quebraram a ordem para estabelecer uma nova ordem nos olhos de quem os lia nos sulfites dos livros e nas páginas dos gramados.

Não tinham vocação para frescuras, apenas para o desnecessário, mas que para o povo era o essencial. Suas verdades não precisavam de teorias, materializavam-se nas retinas e atingiam o fundo das redes da alma, onde a sensação não encontra o de explicar.

Em suas nobres simplicidades, desconheciam o termo nobreza, apenas existiam, apenas eram e faziam o além ser nada além disso. Ainda que a crítica buscasse o metafísico para explicá-los, eram desprovidos de adjetivos na vida.

Mané e Barros ultrapassavam os sistemas econômicos, as nomenclaturas, a busca incessante pela catalogação. O Capital era apenas um termo ermo na vida inventada pelos homens.

Fico imaginando um diálogo entre os dois gênios. Manoel de Barros, por um poema seu, fazendo a preleção do jogo da vida com Garrincha:

“Prefiro as linhas tortas como Deus. Em menino eu sonhava de ter uma perna mais curta (Só pra poder andar torto). Eu via o velho farmacêutico de tarde, a subir a ladeira do beco, torto e deserto… toc ploc toc ploc. Ele era um destaque.

Se eu tivesse uma perna mais curta, todo mundo haveria de olhar para mim: lá vai o menino torto subindo a ladeira do beco toc ploc toc ploc.

Eu seria um destaque. A própria sagração do Eu.

Não é por me gavar

mas eu não tenho esplendor.

Sou referente pra ferrugem

mais do que referente pra fulgor.

Trabalho arduamente para fazer o que é desnecessário.

O que presta não tem confirmação,

o que não presta, tem.

Não serei mais um pobre-diabo que sofre de nobrezas.

Só as coisas rasteiras me celestam.

Eu tenho cacoete pra vadio.

As violetas me imensam.”

Neste mundo pasteurizado e politicamente correto ainda carece de um alfabeto para compreender a língua dos pássaros e dos anjos…. Pena que Deus não combinara com os russos para que eles fossem eternos.

Ricardo Flaitt (Alemão) é assessor de imprensa do Sindicato Nacional dos Aposentados, estudante incompleto de Filosofia (Unesp), cursa o último ano de História e, sobretudo, é um cronista-torcedor apaixonado pelo São Paulo | E-mail: flaitt.ricardo@gmail.com | Facebook/rflaitt | twitter.com/flaittt

Fonte: Lance

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Leitura

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons