A preleção da vida entre Manoel de Barros e Manuel Garrincha

por Memória Sindical. 19 nov 2014 . 17:31

 

prelacaoprelacao-2

Por Ricardo Flaitt, Alemão

Manoel de Barros brincou com a gramática. Eterna criança, fez do verbo o seu instrumento de libertação. Sua brincadeira era construir o mundo desconstruindo-o com palavras.

Garrincha, gênio, anjo, brincava e voava com a bola e desconstruía os adversários com dribles, que também eram difíceis de serem lidos. Derrubava os zagueiros no chão, bagunçava o esquema tático, assim como Manoel de Barros bagunçava a Língua Portuguesa.

Os dois amavam os passarinhos, Garrincha, até tinha o nome de um. Os dois, em tabela, quebraram a ordem para estabelecer uma nova ordem nos olhos de quem os lia nos sulfites dos livros e nas páginas dos gramados.

Não tinham vocação para frescuras, apenas para o desnecessário, mas que para o povo era o essencial. Suas verdades não precisavam de teorias, materializavam-se nas retinas e atingiam o fundo das redes da alma, onde a sensação não encontra o de explicar.

Em suas nobres simplicidades, desconheciam o termo nobreza, apenas existiam, apenas eram e faziam o além ser nada além disso. Ainda que a crítica buscasse o metafísico para explicá-los, eram desprovidos de adjetivos na vida.

Mané e Barros ultrapassavam os sistemas econômicos, as nomenclaturas, a busca incessante pela catalogação. O Capital era apenas um termo ermo na vida inventada pelos homens.

Fico imaginando um diálogo entre os dois gênios. Manoel de Barros, por um poema seu, fazendo a preleção do jogo da vida com Garrincha:

“Prefiro as linhas tortas como Deus. Em menino eu sonhava de ter uma perna mais curta (Só pra poder andar torto). Eu via o velho farmacêutico de tarde, a subir a ladeira do beco, torto e deserto… toc ploc toc ploc. Ele era um destaque.

Se eu tivesse uma perna mais curta, todo mundo haveria de olhar para mim: lá vai o menino torto subindo a ladeira do beco toc ploc toc ploc.

Eu seria um destaque. A própria sagração do Eu.

Não é por me gavar

mas eu não tenho esplendor.

Sou referente pra ferrugem

mais do que referente pra fulgor.

Trabalho arduamente para fazer o que é desnecessário.

O que presta não tem confirmação,

o que não presta, tem.

Não serei mais um pobre-diabo que sofre de nobrezas.

Só as coisas rasteiras me celestam.

Eu tenho cacoete pra vadio.

As violetas me imensam.”

Neste mundo pasteurizado e politicamente correto ainda carece de um alfabeto para compreender a língua dos pássaros e dos anjos…. Pena que Deus não combinara com os russos para que eles fossem eternos.

Ricardo Flaitt (Alemão) é assessor de imprensa do Sindicato Nacional dos Aposentados, estudante incompleto de Filosofia (Unesp), cursa o último ano de História e, sobretudo, é um cronista-torcedor apaixonado pelo São Paulo | E-mail: flaitt.ricardo@gmail.com | Facebook/rflaitt | twitter.com/flaittt

Fonte: Lance

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Leitura

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

VER MATÉRIA

Sindicato dos Professores de São Paulo promove debate e exposição sobre a Revolução Russa

Cultura

Acontecimento de importância decisiva no mundo contemporâneo, a Revolução Russa construiu e destruiu utopias e mudou as referências políticas e ideológicas da nossa era. Sua...

VER MATÉRIA

Vote pra valer! Não desperdice o seu direito conquistado

Apostilas de Formação

A descrença com a política é compreensível frente à flagrantes de corrupção, de mau uso do patrimônio público e da precária oferta de serviços e...

VER MATÉRIA

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL