Caro Sr. Horten

por Memória Sindical. 03 maio 2012 . 11:29

2007, Noruega/Alemanha/França Bent Hamer.

Fonte:Carolina Maria Ruy*

caro-1

Das tendências mundiais dos últimos 40 anos, que reconfiguraram o mundo da produção, do dinheiro e do trabalho, o envelhecimento da população merece atenção especial.

Desde os anos de 1960 constatou-se que, em nível mundial, as pessoas passaram a ter menos filhos, ao passo que, com o aumento da longevidade, a média de óbitos também diminuiu. Como resultado desta equação tanto os países desenvolvidos como, de modo crescente, os países em desenvolvimento, passaram a contar com cada vez menos crianças e cada vez mais idosos.

Se tal situação assola o Brasil, que amargou séculos de recessão e subdesenvolvimento social, encontrando seu caminho em um passado ainda muito recente, imagine em um país com uma economia desenvolvida e estabilizada há muito tempo.

Pensemos na Noruega. Aquela nação escandinava, berço dos vikings, de clima oceânico, continental, subártico e alpino, com uma população de cerca de 5 milhões de pessoas e uma taxa de crescimento populacional de 0.7% (dado de 2005). Com uma das mais elevadas taxas de expectativas de vida do mundo, não há dúvida sobre o envelhecimenta da população norueguesa.

Aposentados em plena atividade social devem saltar aos olhos na demografia daquele país. O personagem Odd Horten (Baard Owe), 67 anos, maquinista da linha de trem de Bergen é, portanto, um norueguês comum. Através de sua história podemos sentir o ambiente de seu país, a formalidade, o agudo senso de dever, a contenção emotiva, a monotonia, a ordem que se perpetua através das gerações e um delicado e secreto anseio por aventuras e mudanças.

caro-2

Odd é um funcionário metódico, que fará a sua última viagem pelas montanhas antes de se aposentar (por idade – aos 67). Sua vida é previsível como o trajeto do trem que guia diariamente. Após décadas de serviços prestados, ele próprio já se assemelha fisicamente a uma locomotiva, com bigodes que parecem limpa trilhos e um cachimbo sempre soltando fumaça.

O filme nos leva, com muita sutileza, ao seu íntimo. Mas nada de grandes dramas, mesmo porque, à moda escandinava, estamos falando de uma comédia. Situações absurdas envolverão este homem, como ficar preso para fora da porta na festa de sua aposentadoria e acabar invadindo o apartamento vizinho e ali ceder às chantagens de uma criança que o quer por perto até adormecer, ou conhecer um bêbado na rua e ao prolongar amizade, descobrir as minúcias de sua vida e confortável situação financeira.

Desolado pela falta de sua antiga rotina, o café da manhã, o serviço, os colegas, a volta para casa, Odd terá de aprender a conviver com outras pessoas e coube a alguém que é o seu oposto, o outsider Trygye Sissener (Espen Skjønberg), proferir palavras inspiradoras para Odd buscar novos caminhos.

Caro Sr. Horten nos chama a atenção para a longevidade nestes novos tempos em que o espaço urbano se consagrou e a família diminuiu. Mas enfatiza a situação peculiar de um país em que a solidão é comum e a intimidade nem tanto. O fime aborda, sobretudo, o universal poder de transformação que cada um traz dentro si.

 


Carolina Maria Ruy é jornalista, coordenadora de projetos do Centro de Memória Sindical

 

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL