Hoffa, Um homem, uma lenda

por Memória Sindical. 02 maio 2012 . 11:41

Os dilemas, as contradições e a luta apaixonada de Jimmy Hoffa para constituir o mais influente sindicato trabalhista dos EUA.

FONTE: Carolina Maria Ruy

hoffa-1

Hoffa, Um homem, uma lenda
Danny DeVito
França/Paris, 1992
Com Jack Nicholson Danny DeVito

Em dezembro de 1975 a TV norte americana noticiou o desaparecimento do sindicalista James Riddle Hoffa, de 62 anos. Hoffa foi visto pela última vez no estacionamento do restaurante Machus Red Fox, em Detroit, no final de julho daquele ano. Seu sumiço foi extensivamente investigado nos anos seguintes, inclusive pelo FBI. Nunca se chegou a alguma conclusão. Seu corpo nunca foi encontrado e, em 30 de julho de 1982, ele foi declarado morto. Desde então esta é uma ferida aberta na história dos EUA.
Combatente incansável, turrão, disposto a tudo para defender os trabalhadores, Jimmy Hoffa, estava, nos dias de seu sumiço, às vésperas de retornar ao posto de presidente da International Brotherhood of Teamsters – IBT (Irmandade Internacional dos Caminhoneiros).
Desde a década de 1930 Hoffa esteve envolvido com os Teamsters. Entre 1958 e 1971, foi presidente daquele sindicato desempenhando um papel de grande importância. Durante sua liderança a IBT se tornou a maior organização de trabalhadores dos Estados Unidos, com mais de 1,5 milhão de filiados.
Dezessete anos após sua morte, o ator e diretor Danny DeVito, resolveu jogar um pouco de luz, nesta passagem obscura da história dos trabalhadores estadunidenses, dirigindo o filme “Hoffa, um homem, uma lenda”.
Para isso contou com a ajuda do experiente Jack Nicholson para dar vida ao personagem. Dar vida ao personagem é, neste caso, mais que uma figura de linguagem. Interpretando Hoffa, Nicholson, expõe a trajetória do sindicalista às novas gerações. Uma história que, acima de tudo, revela a repressão e o cerceamento com que os Estados Unidos tratam as organizações de trabalhadores.
Como se trata de um caso sem desfecho, DeVito deu liberdade ao roteirista David Mamet (de “Os Intocáveis”, 1987), que combinou realidade com ficção.
Mas o que é realidade e o que é ficção quando se trata de Jimmy Hoffa? Com uma vida marcada pela dubiedade, pela luta pelos trabalhadores, por relações escusas com a máfia, marcada pelo heroísmo e por atitudes suspeitas nos jogos de poder, o sindicalista tornou-se uma lenda no imaginário de seu país.

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Vote pra valer! Não desperdice o seu direito conquistado

Apostilas de Formação

A descrença com a política é compreensível frente à flagrantes de corrupção, de mau uso do patrimônio público e da precária oferta de serviços e...

VER MATÉRIA

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

VER MATÉRIA

Sindicato dos Professores de São Paulo promove debate e exposição sobre a Revolução Russa

Cultura

Acontecimento de importância decisiva no mundo contemporâneo, a Revolução Russa construiu e destruiu utopias e mudou as referências políticas e ideológicas da nossa era. Sua...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL