Homenagem ao dia do idoso: Altas Aventuras UP

por Memória Sindical. 03 maio 2012 . 11:39

2009, EUA Pete Docter, Bob Peterson (co-diretor).

up-1

Em O Mundo Perdido ficção de 1912, de Arthur Conan Doyle, os cientistas e concorrentes Professor Challenger e Arthur Summerlee, partem para uma viagem fantástica para verificar se existem dinossauros na América do Sul. Eles aterrizam em uma floresta exuberante e misteriosa, cheia de seres selvagens e mitológicos e não encontram o que procuravam. Para sair de lá, sobem em um balão, mas enfrentam uma forte tempestade. O balão cai, enfim, no planalto que esconde o “Mundo Perdido”, onde dinossauros e animais exóticos vivem livremente.

Mais de noventa anos depois a ideia de mundos perdidos ainda inspira nossa cultura. Numa análise apurada percebemos que a fresquíssima animação Up – Altas Aventuras, lançada em 2009, resgata elementos da ficção de Arthur Doyle. Nesta versão moderna do tema, o autor injetou a vida íntima de um idoso cidadão estadunidense.

A casa do simpático personagem Carl Fredricksen suspensa pelas milhares de bexigas coloridas, sobrevoando a selva de pedra, em meio aos raios e trovoadas, ou sendo arrastada no cume do Salto Angel, o mais alto do mundo, no sudeste da Venezuela, ilustra situações extremas: lar e aventura, nostalgia e impulsividade. A companhia inicialmente indesejada de Russell, de oito anos de idade, dá o ar familiar da história. Juntos eles devem encarar aventuras na selva, combater inimigos e salvar os injustiçados. É o que a
empresa de animação por computação gráfica da The Walt Disney Company, a Pixar, faz de melhor: criar identidades de modo a nos introduzir em qualquer história, por mais inusitada que ela seja.

E o elemento aqui usado, para nos aproximar da história é a trajetória de vida do senhor Fredricksen, antes e depois do momento em que ele, aos 78 anos, se abate profundamente por ter perdido sua amada companheira de tantos anos. Decompondo a aventura de Doyle, de 1912, a UP, Altas Aventuras, inova promovendo um retorno a uma relação básica e elementar.

Centrar foco neste senhor, com todos os seus rituais, suas rabugices e seus hábitos é o elemento surpresa da Disney. Um velhinho num grande produto da Pixar não é só um velhinho. Ele é alvo de atenções, de debates, ele inspira ideias e olhares.

O que nos interessa aqui é ressaltar que o velhinho que protagoniza uma história não é mais o idoso debilitado e problemático. De acordo com a tendência mundial de que as pessoas vivem mais, e podem viver muito bem estes anos a mais. Enfatizando a construção da vida do senhor Fredricksen, o filme reforça o quanto ele perde suas referências com o fim de sua vida de trabalho e a morte da mulher. As excentricidades deste senhor se acirram quando ele entra nesta nova e misteriosa fase da vida. Por isso ele tem a ideia de fazer de sua casa um transporte aéreo para a ilha das cachoeiras, na Venezuela.

Não é um filme que fala diretamente sobre o trabalho. Mas ele chama a atenção para o fato de que as pessoas estão vivendo mais tempo e com boa disposição e saúde. Ao perder o chão, coloca-se para Fredricksen a questão: o que fazer agora? É uma pergunta que cabe à sociedade, que deve se ajustar a estes novos tempos de longevidade: o que fazer com e para este novo e crescente contingente de pessoas, potencialmente ativas, com mais de sessenta e cinco anos?

Podemos ainda fazer uma analogia entre o mundo perdido e a etapa que se inicia para a trajetória de Fredricksen, na qual ele se vê tendo que se refazer e buscar realizações em sua vida, como a amizade com o pequeno Russell.

O fim da vida produtiva, imposto pelo mercado de trabalho, pode ser um bom recomeço. Essa é uma realidade cada vez mais comum. E é a melhor saída do mundo perdido.

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL