Faroeste Caboclo e a epopeia de Brasília

04 jun 2019 . 15:41

Por volta do início da década de 1980 sons de uma cultura jovem e contestadora despontavam no centro oeste do Brasil.

Carolina Maria Ruy

As bandas Legião Urbana, Capital Inicial e Plebe Rude, marcaram um período compreendido entre o fim da ditadura militar e a difícil recessão dos anos de 1980/90, utilizando tal contexto como matéria prima para suas poesias. Assim como os punks ingleses esses jovens expressavam uma realidade urbana e industrial, que combinava modernidade, avanço tecnológico, conflitos sociais e sentimento de exclusão.

A maioria dos integrantes destas bandas não nasceram em Brasília. Renato Russo, vocalista do Legião Urbana é carioca, Dinho Ouro Preto, do Capital Inicial, é de Curitiba e Philippe Seabra, do Plebe Rude, nasceu em Washington DC. (EUA).  Garotos da classe média, filhos de funcionários públicos, bancários e diplomatas, quase todos se mudaram com a família para a nova capital entre a infância e a adolescência. Foi lá, entretanto, no centro oeste brasileiro, que eles aconteceram.

O modo de vida urbano e o sentimento de injustiça social foram motes recorrentes destas bandas, não apenas nas letras, mas nas batidas que lembram a produção industrial e o ritmo frenético das cidades.

Ao lado destes temas, questões políticas e sociais também são frequentemente abordadas por estas bandas. De todas a Plebe Rude foi a mais política. Isso fica claro no refrão:

Com tanta riqueza por aí, onde é que está
Cadê sua fração?

Tornou-se um mantra irônico sobre a acentuada desigualdade social do Brasil na década 1980.

Mas foi nas mãos de Renato Russo, da Legião Urbana, que as contradições entre o avanço e o atraso e que o sentimento angustiante do individualismo ganharam a melhor definição.

Em seus álbuns Legião Urbana Dois, Que País É Este, As Quatro Estações e O Descobrimento do Brasil a banda transitou por assuntos pertinentes ao jovem povo brasileiro, traduzindo os sentimentos de multidões.

Mais do que isso, foi Renato Russo quem musicou e popularizou a epopeia de Brasília na canção Faroeste Caboclo, composta em 1979 e lançada oficialmente em 1987 no álbum Que País É Este.

Com 159 versos que não se repetem em nove longos minutos. Sua harmonia e o ritmo extremamente simples, no entanto, fizeram com que caísse na boca do povo.

A letra fala do nordestino João de Santo Cristo que sai de sua terra natal tornando-se um cowboy à brasileira.

O título não deixa dúvida de que se trata do desbravamento e da construção de um território com os riscos e os erros inerentes à nova experiência, daí o Faroeste.

Deixa claro também que se trata da conquista do oeste por um povo mestiço de branco, índio e negro, daí o Caboclo. Mote típico do povo americano colonizado pela costa leste, o tema conquista do oeste nos remete a uma terra sem-lei. Ou melhor, a uma terra em que a lei está sendo moldada.

A saga de Santo Cristo traz ao centro dos holofotes um homem rústico, sem apoio ou assistência, que sai pelo mundo à sua própria sorte.

Como se pode notar logo no início da melodia o personagem, vítima de preconceitos, deserta do inóspito sertão nordestino em busca dos centros urbanos:

Quando criança só pensava em ser bandido
Ainda mais quando com um tiro de soldado o pai morreu
(…)
Aos quinze foi mandado pro reformatório
Onde aumentou seu ódio diante de tanto terror
Não entendia como a vida funcionava
Descriminação por causa da sua classe e sua cor
Ficou cansado de tentar achar resposta
E comprou uma passagem foi direto a Salvador

Orfão de pai, ele vai à Salvador, e depois à Brasília. Nestes outros versos pode-se notar a admiração à exuberância moderna de Brasília e também uma referência ao Brasil rural:

E lá chegando foi tomar um cafezinho
E encontrou um boiadeiro com quem foi falar
E o boiadeiro tinha uma passagem
Ia perder a viagem, mas João foi lhe salvar:
Dizia ele – Estou indo pra Brasília
Nesse país lugar melhor não há
Tô precisando visitar a minha filha
Eu fico aqui e você vai no meu lugar
O João aceitou sua proposta
E num ônibus entrou no Planalto central
Ele ficou bestificado com a cidade
Saindo da rodoviária viu as luzes de natal

Logo na seqüência, o tráfico de drogas:

Um peruano que vivia na Bolívia
E muitas coisas trazia de lá
Seu nome era Pablo e ele dizia
Que um negócio ele ia começar
(…)
E o João de Santo Cristo ficou rico

E acabou com todos os traficantes dali

O papel da TV, pasteurizando a tragédia:

E Santo Cristo não sabia o que fazer
Quando viu o repórter da televisão
Que deu notícia do duelo na TV
Dizendo a hora o local e a razão
(…)
E olhou pro sorveteiro
E pras câmeras e a gente da TV filmava tudo ali
E se lembrou de quando era uma criança
E de tudo o que vivera até ali
E decidiu entrar de vez naquela dança
– Se a via-crucis virou circo, estou aqui

No fim a redenção e a criação de um mártir:

O povo declarava que João de Santo Cristo
Era santo porque sabia morrer
E a alta burguesia da cidade não acreditou na história
Que eles viram da TV
E João não conseguiu o que queria
Quando veio pra Brasília com o diabo ter
Ele queria era falar com o presidente
Pra ajudar toda essa gente que só faz sofrer!

Enfim, é uma história que passa pela migração, por contrastes sociais, pela convivência entre o Brasil rural e o Brasil urbano, pelo desvirtuamento do ímpeto de uma juventude sem perspectiva e pela formação do crime organizado, pelo descaso das elites econômicas. Passa também pela pujança que adquiriu o centro oeste, pela consolidação da imponência de Brasília e pelo crescimento de uma nova e conflituosa modernidade.

Faroeste Caboclo ajudou a elevar as bandas de Brasília ao status de um fenômeno cultural brasileiro. Bandas que, a partir do exemplo da vida em Brasília, nos ajudam a compreender melhor o sentimento que havia no Brasil durante as chamadas décadas perdidas (1980 e 90).

Legião Urbana, Capital Inicial, Plebe Rude, além de outros artistas que vieram em suas esteiras, como Cássia Eller, Raimundos, Natiruts e o rapper GOG, ajudaram a definir a identidade da nova capital e fazem parte da história dos 50 anos de Brasília.

Comentários



ÚLTIMAS DE

Artigos e Entrevistas

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons