Dúvida Doubt

por Memória Sindical. 03 maio 2012 . 11:53

2008, EUA John Patrick Shanley Com Meryl Streep, Philip Seymour Hoffman e Amy Adams.

duvida

Toda instituição social tem suas regras. Seja religiosa, partidária, civil, estudantil ou sindical, a institucionalidade contempla, de uma forma ou de outra, estrutura, hierarquia, normas e valores.

Um partido político, por exemplo, tem uma organização reconhecida por seus militantes, segundo a qual eles devem agir. Esta organização é feita de acordo com a visão de mundo defendida pelo partido, suas divergências quanto à ordem social e de suas propostas de mudança. Comumente estas diretrizes se consolidam de tal forma que se tornam verdades absolutas, pelas as quais se forja qualquer justificativa. A imposição destas verdades não deixa espaço para crítica ou para dúvida. Ou seja, tornam-se dogmas.

As instituições religiosas se utilizam, de forma emblemática de tais dogmas. Sua rigidez e seus preconceitos se justificam em argumentações espirituais, subjetivas, que não necessariamente tem alguma implicação concreta. Por isso, na igreja católica o embate entre setores conservadores e setores progressistas, voltados a causas sociais, são muito acirrados e em muitos momentos ditaram os rumos não apenas da própria organização, mas também da cultura ocidental.

O filme A Dúvida traz o debate sobre conflitos na igreja entre diferentes visões de mundo. O que foi destacado na campanha publicitária do filme foi a questão da pedofilia dentro da igreja. Esta também é uma questão da maior seriedade e que deve ser combatida. Mas, ao assistir o filme, minha impressão é de que ele reforça muito mais a questão ideológica do que do desvirtuamento moral.

O padre se mostra amigável com os alunos e incomoda a diretora por quebrar a aura de autoridade que, segundo ela, ele deveria ostentar. Em seus sermões e em suas falas o padre demonstra uma visão progressista da igreja. Ele acredita que a instituição deva ser mais humana e menos autoritária e que deva se adequar ao tempo moderno. A diretora, por sua vez, sustenta que as autoridades devem manter-se como seres aristocráticos, e que a modernidade é pura abstração a ser combatida pelos princípios bíblicos.

A irmã acha justo quebrar as regras para combater o padre. Sua justificativa é algo como “até o trabalho sujo deve ser feito para zelar por aquilo que ela acha que é a vontade divina”. Desta forma ela é implacável e passa por cima de todos, se apoiando no mito de toda da verdade.

Muitas instituições sociais estão também contaminadas por dogmas e por donos da verdade. O meio sindical está longe de estar fora disso. O debate e a divergência de opiniões é um saudável exercício democrático. Mas estamos falando aqui de “crenças” que se estabelecem e que travam o debate e o avanço das organizações.

Tal qual o filme, muito destas crenças fizeram sentido em outros tempos, mas não acompanharam o rumo da história. Tornaram-se então discursos idealistas e dogmáticos que não admitem dúvidas.

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

VER MATÉRIA

Sindicato dos Professores de São Paulo promove debate e exposição sobre a Revolução Russa

Cultura

Acontecimento de importância decisiva no mundo contemporâneo, a Revolução Russa construiu e destruiu utopias e mudou as referências políticas e ideológicas da nossa era. Sua...

VER MATÉRIA

Vote pra valer! Não desperdice o seu direito conquistado

Apostilas de Formação

A descrença com a política é compreensível frente à flagrantes de corrupção, de mau uso do patrimônio público e da precária oferta de serviços e...

VER MATÉRIA

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL