Música e Trabalho: Voz da America (Belchior )

por jawsdigital. 14 nov 2019 . 11:40

Em 1979, o clima de ditaduras ainda pesava sobre a América do Sul. A repressão tolhia a liberdade de pensamento e de expressão. Tolhia as vozes.

Belchior, entretanto, lançou naquele ano a canção Voz da América, na qual reivindicava que sua voz pudesse ser ouvida: no rádio, pelo alto falante, na fúria das cidades. Ouvido por todos, por quem chega do trabalho, por quem “teve que partir para um país distante”, por “Inês, posta em sossego a sós”. Sua voz era, enfim, sua ferramenta: “Cantar, como quem usa a mão; para fazer um pão; colher alguma espiga”.

Uma ironia da música é o fato de ele falar em “El condor” em uma época em que a Operação Condor, que coordenava a repressão e a aniquilação de líderes de esquerda nos países do Cone Sul, ainda vigorava. Sua referência, entretanto, embora isso possa não ser uma coincidência, é a música de Paul Simon, El Cóndor Pasa, que, por sua vez, se refere a um musical, composto em 1913 pelo peruano Daniel Alomia Robles e Julio de La Paz.

Não à toa, Voz da América, traz um sentimento de unidade e solidariedade sul-americana. Como em outras canções, ele frisa que é um rapaz “latino-americano”, conclamando esta irmandade entre os povos “e o amor que traz a luz do dia; e deixa que o sol apareça; sobre a América; sobre a América, sobre a América do Sul”.

Voz da América
(Composição: Belchior/1979)
Intérprete: Belchior

El condor passa sobre os Andes
e abre as asas sobre nós.
Na fúria das cidades grandes
eu quero abrir a minha voz.
Cantar, como quem usa a mão
para fazer um pão,
colher alguma espiga;
como quem diz no coração:
– Meu bem, não pense em paz,
que deixa a alma antiga.
Tentar o canto exato e novo,
que a vida que nos deram nos ensina,
pra ser cantado pelo povo,
na América Latina.
Eu quero que a minha voz
saia no rádio, pelo no alto falante;
que Inês possa me ouvir, posta em sossego a sós,
num quarto de pensão, beijando um estudante.
Quem vem de trabalhar bastante
escute e aprenda logo a usar toda essa dor
quem teve que partir para um país distante
não desespere da aurora, recupere o bom humor.
Ai! Solidão que dói dentro do carro…
Gente de bairro afastado,
onde anda meu amor?
Moça, murmure: Estou apaixonada,
e dance de rosto colado, sem nenhum pudor.
E à noite, quando em minha cama
for deitar minha cabeça,
eu quero ter cabeça
eu quero ter daquela que me ama
um abraço que eu mereça;
um beijo: o bem do corpo em paz,
que faz com que tudo aconteça;
e o amor que traz a luz do dia
e deixa que o sol apareça
sobre a América,
sobre a América, sobre a América do Sul.

Comentários



ÚLTIMAS DE

Cultura

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL