Um Dia de Cão

por Memória Sindical. 08 nov 2013 . 08:59

umdia

Um Dia de Cão (Dog Day Afternoon)
EUA, 1975
Sidney Lumet
Com Al Pacino e John Cazale

A pretexto de uma trama policial Lumet aborda com genialidade a desmedida e intangível capacidade da imprensa em brincar com a opinião pública, e coloca em debate seu poder de entrar na cabeça das pessoas e moldar o senso comum.


Por Carolina Maria Ruy

Quando Sonny (Pacino) decidiu sair do carro para assaltar o banco, ele não imaginava que protagonizaria um episódio sensacionalista, que atrairia tantos olhares. Mas com o banco tomado, os reféns nas mãos dos infratores e o cerco policial, a imprensa fez daquele assalto sua principal atração e deu o tom das negociações.

“Attica! Attica!” foi a resposta de Sonny à exploração midiática, referindo-se à Rebelião de Attica, em Nova Iorque (EUA), em 9 de setembro de 1971, quando detentos da penitenciária de Attica tomaram carcereiros como reféns para exigir, entre outras coisas, o fim da censura, melhor atendimento médico e carcereiros negros e latinos.

umdia-2

Com cinco dias de tensão a Rebelião de Attica acabou com um banho de sangue promovido pela polícia. Mas o curioso é que cada passo, cada diálogo e o trágico desfecho chegavam às residências dos cidadãos através da TV, que transmitia ao vivo como um reality show.

Tal sensacionalismo não nasceu em 1971. Ele vem com a própria produção em série da notícia e sua cooptação pela indústria cultural, massificada no pós 2ª Guerra, contexto em que a imprensa foi rendeu-se ao mercado.

Sobre isso vale resgatar a lógica simples e direta do músico baiano Tom Zé, que já em 1969 dizia que “Tem jornal popular que nunca se espreme porque pode derramar. É um banco de sangue encadernado, já vem pronto e tabelado, é somente folhear e usar” (Parque Industrial/Tropicália).

No filme Sonny aproveita seus poucos minutos de fama e se envaidece com os holofotes. Mas ele não percebe que naquela situação ele é mais vitima que algoz.

O incipiente crime, a tensão policial, os reféns, a veracidade dos fatos, nada disso determina o resultado da confusão armada por ele e seu comparsa. A cobertura da imprensa, que de Attica até aquela situação, aprimorou seus mecanismos de transmitir o trágico de forma romanceada e teatral, é o que orienta o desfecho.

Ora a mídia defende os bandidos, humaniza-os, instiga a compaixão. Outrora esta mesma mídia reverte a história, revelando ao público a face perversa destes bandidos, tornando “aceitável” uma ação violenta contra eles.

A pretexto de uma trama policial Lumet coloca em debate o poder da imprensa, sobretudo da televisão, de invadir a consciência e moldar o senso comum em favor da ideologia do status quo.


Carolina Maria Ruy é jornalista, coordenadora de projetos do Centro de Memória Sindical

Comentários



ÚLTIMAS DE

Dicas de Filmes

Visão geral do acervo

Arquivo

Centro de Memória Sindical – Arranjo do Acervo

VER MATÉRIA

Arquivo – Sindicatos

Arquivo

Catálogo de coleções de sindicatos, acondicionadas em caixas contendo documentos em papel de variadas tipologias. Documentos de datas esparsas entre as décadas de 1930 e...

VER MATÉRIA

Fotos históricas

Documentos Históricos

  As fotos estão em ordem cronológica Remo Forli e Conrado Del Papa, no lançamento da pedra fundamental da sub-sede de Osasco do Sindicato dos Metalúrgicos...

VER MATÉRIA

Jornais

Arquivoc

Catálogo de coleções de jornais. Jornais de datas esparsas entre as décadas de 1920 e 2010. Acondicionamento em pastas.

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL

Show Buttons
Hide Buttons