Fatos que marcaram o ano de 1917

por Memória Sindical. 14 jul 2017 . 16:33

No livro “Aos trancos e barrancos: como o Brasil deu no que deu”, de 1985, Darcy Ribeiro elenca diversos fatos que marcaram o ano de 1917, além da Greve Geral.

Chamado, pelo autor, de “O ano do samba”, em 1917:

As operárias do Cotonifício Crespi iniciaram a greve em protesto à morte do sapateiro (Chama a atenção que já em 1985 ele enfatiza a ação “das operárias” como protagonistas da greve).

Com a Revolução Russa as forças armadas e as classes dominantes passaram a viver “no e do” temor do comunismo internacional.

Recife viveu uma onda urbanizadora.

Edgard Leuenroth fundou o jornal “A Plebe” para difundir o ideário anarquista e para apoiar a greve.

Everardo Dias lançou “O manifesto aos soldados” e é expulso do país.

Navios brasileiros foram afundados por submarinos alemães.

O Brasil entrou em guerra contra o Império “Teutônico”.

A indústria nacional avançou, ainda que timidamente.

Industriais, mesmo os considerados progressistas como Jorge Street, foram contra o projeto de Maurício de Lacerda que estabeleceria a jornada de trabalho de oito horas e proibia o trabalho de menores de quatorze anos.

A exposição de arte vanguardista de Anita Malfatti escandaliza São Paulo. Monteiro Lobato faz duras críticas.

No Rio de Janeiro mulheres sufragistas, lideradas por Leolinda Daltro e Berta Lutz, realizam grande manifestação contra a concepção da mulher como “sexo frágil”.

Delmiro Gouveia, industrial nordestino que criou a primeira fábrica de linhas de coser, foi assassinado. Por trás deste crime estava a Machine Cottons impondo seu monopólio.

Um grupo capitalista belga funda a Siderúrgica Mineira, em Sabará (MG), célula-mater da Companhia Siderúrgica Belgo Mineira.

Foi lançada a revista “Eu sei tudo”, que fez sucesso por décadas.

Zequinha de Abreu compõe a música Tico Tico no Fubá.

Donga e Mauro de Almeida registram na Biblioteca Nacional a propriedade intelectual do samba “Pelo Telefone”. Com isso eles batizam o gênero musical “samba”. A palavra samba, que vem da expressão angolana semba, se legaliza e se generaliza no disco.

Gravada pelo Baiano para a Casa Édison foi a primeira música censurada. Cortaram o primeiro verso:

“(O chefe da polícia); Pelo telefone; Manda me avisar; Que com alegria; Não se questione; Pare se brincar”.

Além desta relação de Darcy Ribeiro cabe lembrar também que:

Na França o artista Marcel Duchamp apresentou uma das obras mais representativas do dadaísmo, urinol fonte, chocando a sociedade ao apresentar um vaso sanitário como arte.

 

 

Comentários



ÚLTIMAS DE

100 anos da Greve de 1917

Depoimento de Newton Candido

Histórias de Vida

Newton Candido foi diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Caetano e assessor do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo. Realizado em 15/04/1989 por...

VER MATÉRIA

Transcrição da entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Roda Viva

Histórias de Vida

Entrevista com Joaquim dos Santos Andrade no Programa Roda Viva, TV Cultura, 06/07/1987

VER MATÉRIA

Depoimento de Melquíades Araújo

Artigos e Entrevistas

  Melquíades Araújo é Presidente da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação no Estado de São Paulo – Fetiasp, e 1º vice-presidente da Força...

VER MATÉRIA

Entrevista com Luiz Antônio de Medeiros

Artigos e Entrevistas

Luiz Antônio de Medeiros é metalúrgico, fundador e presidente da Força Sindical de 1991 até 1999. Foi presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo....

VER MATÉRIA

Entrevista com Nilton Souza da Silva (Neco)

Artigos e Entrevistas

Nilton Souza da Silva (Neco) Comerciário, presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Alegre, (Sindec), secretário de Relações Internacionais da Força Sindical e...

VER MATÉRIA

Música e Trabalho

PLAYLIST SPOTIFY MEMÓRIA SINDICAL